A Fórmula 1 volta de fato para seu berço. Apesar do Azerbaijão ficar no limite geográfico, todos consideram que este é o marco do início da temporada europeia. No próximo fim de semana, teremos a 5ª etapa do campeonato 2018, o GP da Espanha, no Circuito da Catalunha, em Barcelona.

Por conta da proximidade com as fábricas e ser o único circuito que serve de referência para comparações com a pré-temporada (é o único lugar onde é feita nos últimos anos), as equipes programam a introdução dos primeiros grandes pacotes de atualização mecânicas e aerodinâmicas de seus carros justamente neste momento do certame.

HISTÓRICO

Desde a sua introdução no “circo” da Fórmula 1 em 1991, o circuito caiu no gosto das equipes para testar não só por fugir um pouco do frio europeu, mas também pelas curvas de raio longo e da grande reta, que permitem testar os carros para médias e altas velocidades.

Ao longo deste tempo, Barcelona não se caracterizou por corridas “movimentadas”. De se lembrar, as corridas de 91 e 92 disputadas sobre chuva (a primeira com uma ultrapassagens eletrizante de Mansell sobre Senna), o “passeio” de Schumacher em 96 debaixo de um dilúvio em uma Ferrari ainda claudicante, a improvável vitória de Pastor Maldonado em 2012 e o encontrão de Hamilton e Rosberg em 2016 logo na primeira volta, permitindo a primeira vitória de Max Verstappen na categoria.

PERSPECTIVAS

Apesar de suas características, o traçado não possui grandes pontos de ultrapassagem. O principal deles é no final da reta de chegada/largada. Nos últimos anos, se adicionou mais um ponto onde pode se usar o DRS : na reta entre as curvas 9 e 10

fonte: f1.com

Tudo isso para tentar tornar emocionante uma prova que, tradicionalmente, é marcada por ser uma verdadeira “procissão”. Se esta corrida conseguir ser emocionante, aí podemos considerar 2018 como uma daquelas temporadas para ficar na história.

Se considerarmos os dados das últimas corridas e os tempos da pré-temporada, teremos uma briga ferrenha pela primeira fila. Pegando pelo histórico recente, a Ferrari está um pouco à frente e desponta como favorita (Vettel à frente). Mas vai depender muito de como a Mercedes vai reagir a estes pneus “modificados” e a Red Bull confirmar seu bom desempenho (normalmente elas andam bem na Espanha).

O resto do grid

Uma coisa interessante de se ver a briga ferrenha pelo “melhor do resto”. Quem tem maiores esperanças é a Mclaren, que promete trazer uma série de modificações, dizendo que “agora a temporada começa para nós”. Mas não podemos esquecer de um Carlos Sainz Junior que correrá em casa em uma Renault com evolução segura. Sem contar o que pode aprontar a Haas e a Toro Rosso

Por conta desta dificuldade de ultrapassagens, se não houver nenhum grande fato extraordinário, as 66 voltas significarão mais um exercício de estratégia nas paradas de box do que disputas na pista. E as equipes estão se fiando no uso dos supermacios e macios neste fim de semana. Lembrando que a Mercedes solicitou à Pirelli que mudasse um pouco a composição dos pneus para esta corrida…

Pneus para o fim de semana (fonte: Pirelli)

ENQUANTO ISSO

Com o retorno à fase europeia, esquentam as conversas de “quem vai pra onde em 2019”, bem como as discussões sobre as mudanças do regulamento para 2019 e mais um avanço para a construção da Fórmula 1 pós-2020. Uma coisa é certa: um novo homem forte emerge na categoria e seu nome é Ross Brawn. Mas isso é papo para outra coluna…

Que venga España! Espanya pot venir! Que venham os treinos e a corrida no domingão das das mães a partir das 10:00h.

HORÁRIOS

Sexta-feira, 11 de Maio de 2018
Treino Livre 1   06:00 – 07:30
Treino Livre 2   10:00 – 11:30
Sábado, 12 de Maio de 2018
Treino Livre 3   07:00 – 08:00
Classificação – 10:00 – 11:00
Domingo, 13 de Maio de 2018
Corrida – 10:10

Maiores informações : site da F1

Comenta aí: