Não está sendo fácil, já diria a famosa cantora Kátia. Pelo terceiro jogo seguido, o Barcelona falha e não consegue garantir os três pontos. A torcida culé compareceu em peso ao Camp Nou para ver o jogo contra o Athletic Bilbao pela sétima rodada da La Liga,mas infelizmente não viu o time atuar brilhantemente. Os visitantes abriram o placar com um gol de Óscar de Marcos. Quem diminuiu para os donos da casa foi Munir El Haddadi, que havia acabado de entrar.

Mesmo com os tropeços, o Barça segue líder do Campeonato Espanhol, com o mesmo número de pontos de Real Madrid. Os blaugranas continuam com um saldo de gols maior que os rivais. E os dois que se cuidem, já que o Sevilla está em terceiro, com apenas um ponto de diferença.

Primeiros erros

A etapa inicial começou com a pressão dos donos da casa. Mirando no segundo jogo da fase de grupos da Champions League, contra o Tottenham, o técnico Ernesto Valverde preferiu manter Messi e Busquets. Começando bem, a primeira chance do Barça apareceu nos pés de Coutinho, após tabelar com Suárez. O brasileiro caiu na área e o juizão mandou seguir.

Já o Athletic começou a chegar aos 11’ com Wiliams. O jogador ganhou de Piqué na corrida, mas acabou parado por Ter Stegen. Os azulgrená só voltaram a tomar as rédeas da partida, 10 minutos depois, em um ataque de Suárez.

O jogo seguia equilibrado quando Susaeta lançou bonito dentro da área para De Marcos pegar de primeira e fazer 1 a 0, aos 40’. Tanto os jogadores quanto a torcida reclamaram com um juiz pela falta de fair play dos adversários, já que durante o lança haviam dois caídos dentro de campo. Mesmo com 65% de posse de bola, nada de diminuir a diferença.

Última chance

Munir El Haddadi – Foto: Reprodução/Twitter @fcbarcelona

O segundo tempo começou com uma preocupação no Barcelona. Sergi Roberto sentiu e foi substituído por Busquets, aos 5’. Pressionando desde os primeiros minutos, Suárez e Coutinho chegaram perto, mas o goleiro Simón segurava o resultado com maestria. Valverde, ansioso pelo bom resultado que não chegava, colocou Messi no lugar de Vidal. E foi só o capitão entrar para Coutinho meter uma bola na trave.

Os donos da casa definitivamente tomaram conta do jogo. Messi entrou com tudo trazendo perigo ao gol adversário diversas vezes. A melhor das tentativas saiu outra bola na trave, aos 31’. Mas foi com a entrada de Munir El Haddadi, no lugar de Dembélé que a zica pareceu se dissipar. Messi deu um passe rápido de dentro da área para o espanhol, que chutou de primeira para empatar, 1 a 1.

Teve até gol anulado. Aos 41’, Piqué deu passe para Suárez, impedido, para marcar o gol. Após o apito final o juizão ainda deu um cartão amarelo para Lionel Messi por reclamação. Final, 1 a 1.

Semana conturbada em Barcelona

Há poucos dias de voltar à Wembley para o segundo jogo do Grupo B da Champions League, o time catalão vive uma “crise existencial”. Desde o empate contra o Girona, no último domingo, 23, o Barça não vê a cor da vitória. No meio da semana ainda sofreu uma derrota amarga para o lanterna Leganés. E neste sábado ouviu seu torcedor reprovar o novo escudo do clube, no Camp Nou.

A má fase chegou e deixou os próprios jogadores agoniados. O primeiro a falar foi Suárez. O uruguaio atentou para a ‘Messindependencia’ que afeta os culés há algum tempo.

“Não podemos depender da entrada de Messi para solucionar as coisas. Muitos jogadores estão aqui por mérito próprio. Não podemos depender de Messi ou de BusquetsTínhamos que estar vencendo antes de eles entrarem em campo” – Luis Suárez

Tudo que Valverde precisa é de sua equipe descansada e voltando a confiar no seu potencial para enfrentar o Tottenham. Ir bem na fase de grupos é essencial para uma boa fase mata-mata do Mundial.

O buraco é mais embaixo

Há algo de podre errado no reino da Dinamarca Catalunha. A frase de Hamlet, tragédia famosa de Shakespeare poderia muito bem servir a uma dúvida a ser tratada pelo backoffice do Barcelona. O que houve com aquele time que fazia trazia confiança ao seu torcedor? Fato é que, quando Ernesto Valverde decide colocar algum de seus titulares no banco, a coisa desanda.

Antes mesmo da temporada começar, grandes nomes estavam cotados para fazer parte do plantel de 2018/2019. Griezmann, William Thiago Alcântara foram especulados, mas nenhum acordo foi feito. Em compensação, trouxeram Arthur, Malcom, Lenglet, Arturo Vidal e Munir, voltando de empréstimo ao Alavés. Apesar do número de contratações, a perda foi grande. Iniesta foi para o futebol japonês e Paulinho voltou ao chinês. Além disso, o clube resolveu vender um dos destaques da Copa do Mundo, o zagueiro Yerry Mina, recém-chegado.

Saudade, Neymar

Será que o erro não está nas contratações? Não coloco em dúvida o talento dos mais novos, e até do experiente Vidal, mas um nome de referência daria segurança e renovação a um time intocável. O Barça parece sentir falta de Neymar. Parece sentir falta de alguém que faça a diferença e tenha vontade de jogar e decidir quando preciso,coisa que não encontrou em seu substituto, Dembélé, que apesar de fazer gols, não convenceu.

Sem contar com a contratação de Coutinho, nenhum outro nome de expressão passou perto do Camp Nou. É preocupante a situação quando o time não parece se renovar com bons jogadores de estrela. O dirigentes estariam apostando em novos jogadores, ainda pouco conhecidos, ou estaria apenas cumprindo tabela nas aquisições da temporada, já que nenhum grande nome chegou a vestir a azulgrená? Devemos aguardar as cenas dos próximos capítulos.

Próximos confrontos

O Barcelona vai até Londres enfrentar o Tottenham na UEFA Champions League na quarta-feira, 3, às 18h. Pelo Campeonato Espanhol, a equipe vai à Valencia para tentar conquistar os três pontos e se manter na liderança.

 

 

Comenta aí:

4 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here