No último domingo, o São Paulo anunciou a contratação por empréstimo do goleiro Tiago Volpi, que estava no Querétaro. O atleta de 28 anos chega ao clube com a difícil missão de se firmar na meta tricolor, algo que ninguém conseguiu após a aposentadoria de Rogério Ceni.

O fantasma da meta são-paulina

Vila Belmiro, dia 28 de outubro de 2015. Foi a última vez que o torcedor do São Paulo viu Rogério Ceni entrar em campo por uma partida oficial. Desde esse dia, o clube vive uma constante fragilidade quando se trata de um substituto para o recém aposentado ídolo. Evidentemente, qualquer um que ficasse responsável por assumir a posição de Ceni iria sentir o peso da responsabilidade que teria, por toda a história de seu antecessor no clube e no futebol. No entanto, o desempenho dos escolhidos pela diretoria até aqui têm sido muito abaixo do esperado, e hoje, pode-se dizer que o tricolor é um dos poucos clubes considerados grandes no país que não tem um goleiro que passe confiança para sua torcida.

A primeira opção não deu certo

O substituto imediato foi Dênis, atleta que já estava no clube, e a algum tempo esperava a oportunidade de conquistar a vaga de titular após a aposentadoria de Rogério. Entretanto, a desconfiança quanto ao novo arqueiro surgiu, já que Dênis deixava em evidência o nervosismo em suas atuações, que fizeram o ano de 2016 ficar marcado por falhas. Talvez a pior delas tenha sido contra o River Plate, fora de casa. Visto a dificuldade de jogar em pleno Monumental, o tricolor saiu na frente no início do jogo, gol de Ganso. Mas alguns minutos depois, o lance bizarro protagonizado por Dênis iguala o placar. Em bola cruzada, ele sai do gol e soca a bola contra Thiago Mendes, a bola bate na cabeça do volante e entra. A cena grotesca resume o ano em que Dênis ficou à frente da meta tricolor.

Dênis comete falha grotesca contra o River Plate.
Foto: Juan Mabromata/AFP

Novas tentativas falhas

Em 2017, Sidão, que foi contratado do Botafogo, e Renan Ribeiro, reserva de Dênis no ano anterior, dividiram a meta. Os dois tiveram sequências alternadas durante o ano, onde o clube enfrentou uma luta contra o rebaixamento no Brasileirão. Os dois demonstraram atuações abaixo do que se esperava, assim o revezamento dava chance a quem estava ‘menos pior’. Por algumas defesas no fim do campeonato, Sidão se credenciou a permanecer em 2018, enquanto Renan teve seu contrato rescindido. Na última temporada, Jean chegou ao tricolor vindo do Bahia. Apesar dos 10 milhões investidos no novo goleiro, ele permaneceu na reserva boa parte do ano, ganhando oportunidade quando a situação de Sidão se tornou praticamente insustentável, por conta das más atuações.

Episódio IV: Uma nova esperança

Assim, para 2019 a diretoria do São Paulo fez uma aposta diferente do que foi planejado nos últimos 3 anos. O novo responsável pela meta tricolor vêm com rodagem internacional, fator importante para a disputa de uma Libertadores. Com 28 anos, é experiente, e apesar de não ser muito conhecido pelos torcedores, trata-se de um atleta de qualidade. Considerado um dos melhores goleiros da Liga Bancomer nos últimos anos. A torcida são-paulina se empolgou, assim, o que se espera é que Tiago Volpi traga segurança à meta tricolor.

Comenta aí:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here