Primeiramente, se você foi fazer o Enem. Parabéns! Foi mais útil do que ver o jogo do São Paulo do Diego Aguirre.

É quase cansativo ter que repetir que o Aguirre recua o time em demasia, que o Sidão falha, que alguém vai se machucar e que a torcida apesar de tudo apoiou o time os 90 minutos. Ontem contra o Flamengo não foi diferente, vimos todos esse mantras.

Para os mais novos, que estão acostumados com a geração fracasso, de Rodrigo Caio e Lucão, houve um tempo que empatar no Morumbi independentemente se o time era melhor ou não que o São Paulo, era motivo de festa para o adversário. Nos tempos atuais, graças a administrações desastrosas e nessa temporada ao estilo covarde de Diego Aguirre, nós é que temos comemorar empates na nossa casa. Lamentável.

O Jogo – 1° Tempo

O professor Pardal, também conhecido como Aguirre, escalou um time que nem ele entendeu. (tivesse ele entendido o que fez, não teria mexido no intervalo) Foram a campo: Camisa 12; Reinaldo, Anderson Martins, Bruno Alves e Arboleda; Luan, Jucilei, Bruno Peres, Liziero e Diego Souza; Gonzalo Carneiro.

Há de se dizer, que o Aguirre no alto do seu medo, esperou o Flamengo confirmar a sua escalação para soltar a dele. Ou seja, um movimento típico de técnico de times pequenos.

Com essa celeuma, onde nem os jogadores entendiam suas posições, o jogo começou. E o mais surpreendente, o São Paulo saiu na frente quando Carneiro cruzou, a bola encostou em Lizeiro e encontrou Diego Souza livre para marcar e homenagear o presidente eleito Jair Bolsonaro na comemoração do gol.

Muita opinião e pouco futebol. (Fonte: Agif)

O empate do Flamengo foi a tônica do São Paulo no campeonato inteiro. Um time que não deixou o seu torcedor se empolgar. Na saída de bola, o rubro negro com Uribe cabeceou em cima do sujeito. Eu não sei mais como definir o cidadão que fica debaixo das traves do São Paulo. Seja lá a definição que você dá para ele, a bola veio em cima desse rapaz e ele pulou pra trás. 1×1.

É sempre assim. Falha e depois reclama (Fonte: Estadão)

O jogo seguiu movimentado e até bem gostoso de ser ver, por que o nível era de uma pelada de segunda feira a noite. Uns 4 ou 5 habilidosos e o resto tudo grosso. Mas o jogo seguiu para o intervalo empatado mesmo.

2° Tempo

Aguirre foi contra a sua própria natureza e promoveu uma substituição ofensiva que não envolveu Santiago Trellez e colocou Helinho na vaga do péssimo Anderson Martins. A cria de Cotia só precisou de uma bola e três toques com um chute para mostrar que é melhor que o medalhão inútil que o São Paulo trouxe do Vitória. Aos 10, o menino simplesmente desmontou dois marcadores e de fora da área. Ele mandou um chute lindo no ângulo do goleiro César. 2×1.

Mais Helinho, menos Trellez por favor! (fonte:spfc.com)

O Tricolor até continuou o melhor.

Luan outro que até agora não jogou abaixo do impecável desde que subiu para o profissional arriscou para a boa defesa do goleiro rubro negro. Só que o menino se machucou. E nesse meio tempo, Aguirre trocou Carneiro que vinha em bom jogo para colocar EDMAR!

Aí meus amigos, o desespero começou.

O Flamengo passou a mandar no jogo. O São Paulo novamente sentou em cima do resultado, fruto da covardia, do medo, da teimosia de um treinador que já não merece ficar em 2019 no São Paulo.

O 2° gol flamenguista foi uma sucessão medonha de erros e feitos por personagens mais medonhos ainda, que dá até vergonha de descrever. Mas vamos lá:

Vitinho, o homem dos 40M de Euros, deu uma caneta daquelas que os alunos do 1° ano aplicam nos da 4a série do fundamental. Ele chutou em cima do seja lá o que for que fica no gol do São Paulo, rebateu em cima do RODINEI, que livre fez o empate.

Sim, você não leu errado, o São Paulo tomou gol do Rodinei.

O momento onde tudo deu errado. (Fonte: Estadão)

Passado o gol rubro negro, Vitinho ainda perdeu chance que certamente a minha mãe não perderia para virar. Mas para a nossa sorte ele chutou a bola na nova estação do metrô.

Chover no molhado

Que o São Paulo já não briga mais pelo titulo e que ele já é do Palmeiras, todo mundo já sabe. Mas o time ficou tão previsível que todos sabemos o que vai acontecer nos jogos, antes mesmo dele acontecer.

Por fim, contra o Corinthians no sábado as 17h, em Itaquera..vamos ver mais do mesmo? Ou será que vamos derrubar mais um tabu?

Comenta aí:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here