Casana: Saindo do Brasil – Bebida Internacional

É o terceiro maior consumidor de destilados do planeta, mas segundo o IWSR, mais de 99% é consumido no Brasil. A Alemanha, o segundo maior mercado, responde por apenas 0,2% do consumo global.

De acordo com a Brazil Business, existem 5.000 marcas registradas, muitas mais não registradas e 40.000 destilarias.

“O consumo de kachana no Brasil é mais do que o dobro do gim mundial”, diz Hamilton Lowe, cofundador do Yahoo Kachana. “O Norte do Brasil bebe mais cafeína do que gim com tônica. É enorme.”

O consumo global de bebidas espirituosas infecciosas caiu para seu nível mais baixo na história recente, portanto, os recentes declínios de volume podem certamente ser considerados paralelos. O Brasil passou por momentos difíceis com o Covit, mas, no geral, 2020 não é um ano ruim para o gênero. Globalmente, o petróleo caiu 0,4% em 2020, de acordo com o IWSR, com melhor desempenho do que nos dois anos anteriores, com os volumes caindo 1,6% em 2018 e 2,3% em 2019. Algumas marcas de petróleo bruto foram impressionantes em situações difíceis. O Tipo Pitú conseguiu registrar 11% de crescimento anual, chegando a quase 12 milhões de caixas de 9 litros no processo.

“Embora muitos bares e restaurantes tenham fechado em 2020, houve um aumento relacionado ao consumo de álcool em casa e isso nos ajudou a atingir esse resultado”, afirma Leila Lopez, coordenadora do mercado internacional de Pitú. “Respondemos imediatamente às mudanças epidêmicas ajustando nossas estratégias de comunicação e marketing, e nossos consumidores continuaram a comprar nossos produtos online e em supermercados.”

Mas, apesar do desempenho decente localmente, o volume deve continuar diminuindo. O IWSR prevê que o volume global de petróleo cairá 1,6% CAGR de 2021-2025, mas os cinco principais mercados de exportação do petróleo bruto – Alemanha, França, Estados Unidos, Portugal e Paraguai – deverão mostrar crescimento de volume no mesmo período. Se as marcas brutas são capazes de se engajar nos mercados internacionais de forma semelhante aos eventos nacionais, o escopo dessa categoria é enorme.

Os coquetéis podem ser as chaves para outras partes do mundo. Globalmente, o kashana é conhecido por kyprinhas, mas como ingrediente, não é uma doçura ou travessura.

“Kaibrinha é um coquetel ícone da cultura brasileira, mas o melhor é dar um toque nos clássicos para mostrar a diversidade da bebida”, diz Margio Silva, ex-sócio da Gilhodina em São Paulo. “A cachaça pode ser tradicionalmente usada em clássicos que pedem um sentimento básico diferente – uma tigra feita com kachna necroni ou kachna.

READ  Yosozumi do Japão ganhou ouro no skate

Tadday Köhler

"O desconfortavelmente humilde fã de TV. Generalista de Twitter. Entusiasta de música extrema. Conhecedor de Internet. Amante de mídia social".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top