Com inovação e tecnologia, Brasil caminha para alcançar segurança alimentar

O Brasil, o maior país da América do Sul e da América Latina, está no caminho certo para alcançar a segurança alimentar, já que muitos países ao redor do mundo continuam lutando contra a insegurança alimentar em meio ao crescimento populacional e à urbanização.

A agricultura é definida como 4,5% do PIB do Brasil, ou mais de 20%, quando considerada a agroindústria integrada, incluindo alimentos e bebidas processados, produtos florestais e serviços agrícolas.

De fato, apesar da recessão que atingiu o país em 2015, a agricultura é uma das poucas áreas da economia brasileira que teve ganhos de produção constantes e fortes nas últimas décadas.

O Brasil deve bater recorde na safra de soja em 2022. A produção total da planta enxuta deve aumentar em 138,8 milhões de toneladas, 2,4% ou 4,5 milhões de toneladas, em relação a 2021, segundo relatório divulgado em novembro pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa Geológica e Estatística (IBGE).

A segunda previsão para a produção agrícola estima que a colheita de grãos, cereais e leguminosas no Brasil aumentará em 278 milhões de toneladas em 2022, 10% ou 25,2 milhões de toneladas em relação a 2021.

No entanto, a história de sucesso da produção de grãos no Brasil é muito maior do que isso.

“Nossa história de sucesso minimiza três coisas: uma é a forte parceria que temos, a segunda é a aplicação da tecnologia e por fim nossa capacidade avançada de armazenamento”, disse Paulo Bertolini, chefe da Câmara Setorial de Equipamentos para Armazenamento de Grãos da ABIMAQ.

“Usamos tecnologia e inovação em nossos processos agrícolas. Graças à biotecnologia vegetal, o Brasil é hoje o segundo maior produtor mundial de cultivos biotecnológicos e, em poucas décadas, passamos de importador de alimentos básicos a um dos maiores produtores e exportadores de alimentos do mundo”, explica.

READ  Black Diamonds e Blue Brazil Review - Love, Loss e Lower League Footy | Jogo de áudio

Além das funções tradicionais, como comprar insumos em quantidades para proporcionar economia aos associados e revender a produção dos associados para eliminar intermediários, as cooperativas agrícolas brasileiras muitas vezes desempenham um papel importante, explica Bertolini.

“Existem muitas cooperativas, principalmente no sul do Brasil, que atuam no estado, fornecendo assistência agrícola e social e educação”, diz.

O Brasil está tentando garantir que as fazendas tenham uma capacidade de armazenamento significativa. Isso é para aumentar a taxa na qual a colheita pode ser concluída, reduzindo o tempo gasto no carregamento e descarregamento do grão. O aumento da capacidade nas fazendas também nega aos intermediários a oportunidade de explorar os agricultores.

“Atualmente, 16% de nossa capacidade de armazenamento está em fazendas que representam cerca de 170 milhões de toneladas. Os Estados Unidos da América estão em 60%, e esse é o nosso objetivo.

Para isso, foi elaborado um plano de 12 anos para a instalação de mais silos nas fazendas. A ideia é que as fazendas tenham 50% de capacidade de armazenamento.

O bom clima do Brasil permite que os agricultores cultivem mais de 3 safras por ano em uma única fazenda, o que beneficiará agricultores e de todo o país na busca pela segurança alimentar, diz Bertolini.

Um excelente produtor de milho

Apesar de ser conhecido como líder mundial na produção e exportação de soja, o Brasil é o segundo maior exportador de milho depois dos Estados Unidos. Os principais destinos das exportações de milho do Brasil são: Irã, Japão, Vietnã, Egito e Coreia do Sul.

Produtos de milho abundantes e geralmente baratos têm atraído investimentos no setor de etanol de milho nos últimos anos, especialmente na região centro-oeste do Brasil. A União Brasileira de Etanol de Milho (UNEM) estima que produzirá cerca de 2,5 bilhões de litros de etanol à base de milho no ano-mercado 2020/21.

READ  A projeção da safra total de milho para o Brasil 2020-2021 será de 86,7 milhões de toneladas

Atualmente, o Brasil possui 16 usinas de etanol de milho localizadas nos estados do Centro-Oeste de Moto Grosso, Coyote e Moto Grosso do Sul. As usinas com apenas quatro unidades de milho e o restante são usinas flex que produzem etanol tanto na cana-de-açúcar quanto no milho. Fontes do setor relatam pelo menos outras sete usinas de etanol à base de milho em fase de planejamento, desenvolvimento ou construção, que podem ocorrer nos próximos anos. Se todos os projetos em andamento forem estruturados como planejado, a produção de etanol de milho do Brasil ultrapassará 5,5 bilhões de litros por ano, consumindo 13 milhões de toneladas de milho por ano.

“O Brasil é hoje um dos maiores produtores e consumidores de etanol do mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos em produção e terceiro em consumo (atrás dos Estados Unidos e da Alemanha)”, compartilhou Bertolini.

O etanol brasileiro também é feito de cana-de-açúcar. Existem cerca de 350 usinas de etanol de cana no país, que se concentram principalmente na praia. Em 2019, o país produziu 37,38 bilhões de litros de etanol, dos quais 96% vieram da cana-de-açúcar. Nos últimos anos, no entanto, uma pequena parcela do etanol brasileiro é produzida a partir do milho, e a crescente indústria se expandirá rapidamente na próxima década.

De acordo com a União Nacional dos Fabricantes de Etanol de Milho, a produção de etanol de milho está projetada para expandir para 8 bilhões de litros até 2028. Ao mesmo tempo, o consumo de etanol no Brasil deve subir para 43 bilhões de litros até 2029, de acordo com o Instituto de Pesquisas em Minas e Energia/Energia (MME/EPE), que é apoiado pelo novo esquema de empréstimo de carbono do país, RenovaBio.

READ  'Record após recorde': picos de desmatamento na Amazônia brasileira em abril, pico anterior quase dobrou | Brasil

Esse aumento esperado na demanda estimula o investimento no Brasil para ampliar sua produção de etanol a partir do milho, que o país agora colhe 100 milhões de toneladas anuais para esta safra.

“Continuamos a trabalhar com os agricultores para não apenas apoiar o consumo local, mas também satisfazer a demanda de exportação e aumentar a produtividade. Continuamos a aumentar nossa capacidade de movimentar grãos rapidamente, especialmente no caso de uma crise humanitária. O céu é o limite para nós e sempre há espaço para melhorias”, explica Bertolini.

Tadday Köhler

"O desconfortavelmente humilde fã de TV. Generalista de Twitter. Entusiasta de música extrema. Conhecedor de Internet. Amante de mídia social".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back to top