Gay declarado luta contra o estigma de ‘Princesa de Ouro’ e carrega bandeira orgulhosa na frente de defesa de manchete no Brasil

Washington Duarte se tornou o primeiro gay a aparecer em sua carreira no MMA no Brasil e espera que isso inspire outros a seguir seus passos no futuro.

Lutadora peso-fantasma, a “Princesa de Ouro” do brasileiro Lorenzel do Jari está programada para retornar pela primeira vez desde a epidemia de Covit-19. No sábado, Rodrigo partiu para defender seu título de lutador de Macau em sua cidade natal contra o “Bad Boy” Melônio, e Duarte espera que sua carreira comece em 2022, especialmente após o popular programa de TV brasileiro Fantástico Foi ao ar uma história sobre ele.

“Estou tendo mais oportunidades agora”, disse Duarte, acrescentando que seu recorde real no MMA era de 30-3 e que sites como Sherdock e Topology não viram muito desse sucesso. “Tenho minha própria academia onde ensino Muay Thai e boxe. Tenho meus alunos, mas tudo que eu queria era ser um lutador em tempo integral. É hora de focar nisso.”

Duarte não é o primeiro lutador de MMA a aparecer como gay no Brasil. Em 2013, seis anos após sua luta final, a ex-lutadora do IVC e King of the Cage Jefferson Silva anunciou nas redes sociais que era casada com um.

Duarte, que tem mais de uma década de experiência no MMA, disse que sempre foi conhecido como homossexual na casa de Amba, incluindo o veterano do UFC e parceiro de treinos Tiago Trator.

“Eu sempre fui eu mesmo quando comecei a lutar há 12 anos”, disse ele ao MMA Fighting. Muitas pessoas disseram: “Ah, ele é gay”, mas isso não é um bar. Sempre fui bem tratado onde quer que fosse. Nunca me senti rejeitado. Absolutamente o oposto, realmente. Diego Trater e o técnico Ricardo Fonseca estão sempre ao meu lado.

READ  Famílias no Brasil enfrentam enchentes catastróficas; Resposta dos Movimentos Sociais - Brasil

“Diego disse que nunca tinha visto um homem gay antes onde quer que fosse, e eu sempre enfatizo que existem tantos gays por aí. [in MMA]Mas eles não se atreveram a sair. Eu sabia que um dia eu teria uma chance. E pense, não [MMA fighters] Para inspirar na comunidade LGBT. Não há ninguém para representá-los na luta. Eu disse que faria, quero aquela bandeira LGBT.

Duarte disse que o mundo do MMA é “muito” homossexual e que já passou por muitas situações em que heterossexuais se recusavam a lutar ou treinar com ele.

Foto de Washington Dwarte

“As pessoas sempre vão falar mal de você pelas costas, mas sempre sou respeitado em todos os lugares que vou, especialmente porque trabalho duro nos treinos”, disse ele. “Algumas pessoas, incluindo homens honestos, não querem treinar comigo porque sou forte.

“As pessoas me disseram que ouviram outros dizerem que não treinariam comigo porque se eu batesse neles, confundiria suas cabeças, principalmente nas lutas. Muitos anúncios diziam que não lutariam comigo e os deixariam se perdessem para mim.

Na verdade, Duarte afirmou que um lutador local, Lorenz, havia deixado Dow Jarry e não havia retornado após ser nocauteado por ele em uma luta de MMA há vários anos.

“Conversei com o familiar dele, por isso ele confirmou que saiu”, disse Duarte. “Eu pensei que era uma piada. Ele já planejou uma viagem ou algo assim, mas ele me convenceu de que ele é muito tímido para reprovar um homem gay.”

“Recebo mensagens de apoio e as pessoas me agradecem e sentem que estão sendo representadas agora”, continuou ele. “Não precisamos de nada mais do que respeito. Não vamos à academia para fazer graça. Fazer a diferença?

“Pessoas que conheço me dizem que tenho medo de me assumir por causa de como os outros se comportam. Você não precisa ter medo de quem você é. Você paga suas contas, começa a trabalhar. Não tem nada a ver com nossa sexualidade.

Tadday Köhler

"O desconfortavelmente humilde fã de TV. Generalista de Twitter. Entusiasta de música extrema. Conhecedor de Internet. Amante de mídia social".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back to top