Irã se candidata para se juntar à China e Rússia no clube dos BRICS

  • Busca entrar em um grupo que inclui Índia, Brasil e África do Sul
  • Rússia diz que Argentina também se candidatou ao BRICS
  • Rússia diz que os aplicativos mostram que o Ocidente não conseguiu isolá-lo

DUBAI/LONDRES (Reuters) – O Irã, que tem a segunda maior reserva de gás do mundo, se inscreveu no grupo BRICS de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, que Pequim e Moscou veem como uma alternativa poderosa para os mercados emergentes. Para o oeste.

O termo “BRIC” foi cunhado pelo economista do Goldman Sachs Jim O’Neill em 2001 para descrever a surpreendente ascensão do Brasil, Rússia, Índia e China. Os países do BRIC realizaram sua primeira cúpula em 2009 na Rússia. A África do Sul aderiu em 2010.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã disse que a adesão do Irã ao BRICS “levará a valores agregados para ambos os lados”. A Rússia disse que a Argentina também se candidatou à adesão.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A Rússia descreveu os pedidos como evidência do fracasso do Ocidente liderado pelos EUA em isolar Moscou sobre o que chama de sua “operação militar especial” na Ucrânia.

“Enquanto a Casa Branca estava pensando no que poderia parar ou estragar o mundo, Argentina e Irã se candidataram para se juntar ao BRICS”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.

O presidente argentino Alberto Fernandez, que está atualmente na Europa, reiterou recentemente seu desejo de que seu país se junte ao grupo BRICS.

Uma fonte do governo argentino disse que ainda não havia “processo formal” para fazê-lo, mas essa era a intenção do país.

READ  Caças F-22 dos EUA chegam aos Emirados Árabes Unidos após ataques houthis

“As autoridades argentinas já manifestaram publicamente sua vontade de aderir. É um processo que está apenas começando”, disse a fonte, que pediu para não ser identificada.

A China tem de longe a maior economia do grupo BRICS, respondendo por mais de 70% do poder econômico coletivo de US$ 27,5 trilhões do grupo. A Índia responde por cerca de 13%, e a Rússia e o Brasil respondem por cerca de 7%, segundo dados do Fundo Monetário Internacional.

Os países BRICS representam mais de 40% da população mundial e cerca de 26% da economia global.

Desde a Revolução Islâmica de 1979, que derrubou o xá Mohammad Reza Pahlavi, apoiado pelos EUA, o Irã foi condenado ao ostracismo pelo Ocidente e sua economia prejudicada por inúmeras sanções. Detém cerca de um quarto das reservas de petróleo do Oriente Médio.

poder chinês

O presidente chinês Xi Jinping se juntou ao presidente russo Vladimir Putin e outros líderes do BRICS em uma cúpula virtual na semana passada.

Xi criticou o “mau uso” das sanções internacionais, enquanto Putin repreendeu o Ocidente por provocar a crise global, com os dois líderes pedindo maior cooperação com os BRICS. Consulte Mais informação

Putin disse que as relações com a China são as melhores que já foram e está apresentando uma parceria estratégica com Pequim para combater a influência dos EUA.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse que o Ocidente está em guerra com governos autoritários como China e Rússia.

Os Estados Unidos e as potências europeias apontam para a decisão de Putin de invadir a Ucrânia como a razão pela qual as relações com o Ocidente se deterioraram ao seu nível mais baixo desde a crise dos mísseis cubanos de 1962 – incluindo as sanções mais severas da história moderna.

READ  Ex-primeiro-ministro búlgaro Borisov é preso após investigações da UE

Mas Putin diz que o Ocidente quer destruir a Rússia, que as sanções econômicas são como declarar guerra econômica e que a Rússia construirá relações com outras potências como China, Índia e potências do Oriente Médio.

Putin, que retrata a guerra na Ucrânia como uma “operação militar especial”, acusa os Estados Unidos de insultar a Rússia após a queda da União Soviética em 1991 e a ameaça de Moscou de expandir a aliança militar da Otan.

A Rússia enviou tropas para a Ucrânia em 24 de fevereiro para minar as capacidades militares de seu vizinho do sul, erradicar pessoas que descreveu como nacionalistas perigosos e defender a língua russa em duas regiões do leste da Ucrânia.

A Ucrânia diz que a Rússia organizou uma apropriação de terras no estilo império e não entregará seu território a Moscou.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagens de Paris Hafezi em Dubai e Lydia Kelly em Melbourne). Reportagem adicional de Nicholas Musculin em Buenos Aires; Edição por Richard Bolena, Alison Williams e Mark Heinrich

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Menno Lange

"Geek da Internet. Entusiasta da comida. Pensador. Praticante de cerveja. Especialista em bacon. Viciado em música. Viajante."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back to top