“Nossas exportações de limão argentino para o Brasil estão se consolidando e começamos a exportar para o México.”

Os limões argentinos já são embarcados para os mercados internacionais. “Até agora, ao longo de maio, exportamos mais de 12.000 toneladas de limões. Ainda é uma quantidade pequena, mas focamos nossas exportações para a Europa para evitar que o grosso da campanha da Espanha convergisse. Foi só quando começou a declinar que as exportações para a Europa, como sempre, segundo os importadores, começaram.”

“A Argentina é um grande exportador de limões, mas estamos tentando recuperar nosso volume histórico de exportação de cítricos doces. E esperamos que haja qualidade, que haja mais oferta da Argentina, e atenderemos a demanda de acordo com esse aumento”.

Como viemos de uma época de epidemias em que a demanda total por certas frutas, incluindo frutas cítricas, mudou, a demanda geral do consumidor é um fator importante a ser levado em consideração, diz José Carbonel. “É difícil fazer previsões; agora, só podemos falar sobre como estão os limões. Há otimismo. No entanto, depende da responsabilidade dos exportadores em suas exportações”, disse o presidente da FederCitrus.

“É claro que as campanhas de limão, laranja e tangerina têm níveis consistentes, e o tamanho da fruta será igual ao do ano anterior, ou até maior, para que o setor citrícola do hemisfério sul possa responder. mercados do hemisfério norte.”

“Também começamos a exportar limões para os Estados Unidos. Este ano, a Califórnia lançou uma grande campanha de limão e, para evitar a concorrência que poderia levar a rejeições, as exportações foram atrasadas cerca de um mês a mais do que no passado. a temporada e a superlotação reduzirão as exportações nesta temporada.”

“Quanto à China, tanto em Hong Kong quanto no continente chinês, a Argentina está integrada como fornecedora de limões, mas atualmente há escassez de capacidade de carga para chegar a esse mercado”, diz José. “Eles estão simplesmente saturados. Veremos imagens de congestionamento no porto de Xangai, que é muito pior do que o observado há algum tempo no porto de Los Angeles.”

READ  Inundações mortais e deslizamentos de terra atingem o estado de São Paulo, no Brasil, em meio a chuvas torrenciais

As taxas de frete são, de fato, um problema comum (e preocupante) para todos os exportadores. Desde o início da epidemia, os suprimentos globais despencaram e os preços dos serviços de logística marítima aumentaram drasticamente. “Os custos de combustível, insumos e fertilizantes geralmente interrompem a produção de alimentos, e a situação piorou desde a invasão da Ucrânia pela Rússia. Nós nem sequer temos uma explicação para o motivo pelo qual os preços dos fertilizantes triplicaram e os preços da energia e dos combustíveis aumentaram.”

Novos lugares com previsões interessantes
Além das localidades já integradas para o limão argentino (Europa, Estados Unidos, Canadá, Emirados Árabes Unidos ou China), Jose Cornell destaca que a fruta líder nas exportações nacionais de citros tem potencial para chegar a novas localidades com oportunidades interessantes.

“Nossas exportações de limão para o Brasil também têm potencial para vir por via terrestre. Também começamos a exportar limões para o México e provavelmente começaremos a exportar limões para a Índia este ano. Esperamos que se torne um mercado.”

“Nossa campanha vai até o final de agosto. Há momentos e oportunidades, e definitivamente estamos prontos”, insiste José.

Para maiores informações:
FederCitrus
Av. Belgrano 748 Piso 11 Of. 112
C1092AAU Cuba, Argentina
Telefone: +54 11 5238 1239
[email protected]
www.federcitrus.org

Tadday Köhler

"O desconfortavelmente humilde fã de TV. Generalista de Twitter. Entusiasta de música extrema. Conhecedor de Internet. Amante de mídia social".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back to top