O estudo mostrou que apenas 7% do nosso DNA é exclusivo dos humanos modernos

O que torna os humanos únicos? Cientistas Ela deu mais um passo para resolver um quebra-cabeça duradouro com uma nova ferramenta que pode permitir comparações mais precisas entre o DNA dos humanos modernos e o de nossos ancestrais extintos.

Apenas 7% do nosso genoma é compartilhado exclusivamente com outros humanos, e não com nossos ancestrais, de acordo com um estudo publicado na sexta-feira na revista Science Advances.

“Essa é uma porcentagem muito pequena”, disse Nathan Schaefer, biólogo computacional da Universidade da Califórnia e co-autor do novo artigo de pesquisa. “Esse tipo de descoberta é a razão pela qual os cientistas evitam pensar que somos muito diferentes dos neandertais.”

Um esqueleto de Neandertal reconstruído, à direita, e um esqueleto humano moderno em exibição no Museu de História Natural de Nova York. (AP Photo / Frank Franklin II)

A pesquisa é baseada no DNA extraído de restos fósseis de neandertais e denisovanos extintos que datam de cerca de 40.000 ou 50.000 anos atrás, bem como de 279 pessoas modernas de todo o mundo.

Os cientistas já sabem que os humanos modernos compartilham parte do DNA com os neandertais, mas pessoas diferentes compartilham partes diferentes do genoma. Um dos objetivos da nova pesquisa era identificar genes exclusivos do homem moderno.

É um problema estatístico difícil, disse John Hawkes, um paleoantropólogo da Universidade de Wisconsin, em Madison, que não esteve envolvido na pesquisa, e os pesquisadores desenvolveram “uma ferramenta valiosa que leva em conta dados ausentes no genoma antigo”.

Leste dos EUA vê pássaros cantores morrerem de doenças misteriosas, e cientistas procuram ajuda do público

READ  Sonda chinesa Zhurong Mars envia novas fotos e vídeos

Os pesquisadores também descobriram que uma porção menor de nosso genoma – apenas 1,5% – é exclusiva de nossa espécie e comum a todas as pessoas vivas hoje. Esses fragmentos de DNA podem conter as pistas mais importantes do que realmente distingue os humanos modernos.

“Podemos dizer que essas regiões do genoma são muito ricas em genes que estão envolvidos no desenvolvimento neural e na função cerebral”, disse Richard Green, biólogo computacional da Universidade da Califórnia em Santa Cruz, co-autor do pesquisa.

Em 2010, Green ajudou a produzir o primeiro rascunho da sequência do genoma do Neandertal. Quatro anos depois, o geneticista Joshua Ake foi co-autor de um artigo mostrando que os humanos modernos carregam alguns vestígios do DNA de Neandertal. Desde então, os cientistas continuaram a refinar as técnicas de extração e análise de material genético de fósseis.

“Ferramentas melhores nos permitem fazer perguntas cada vez mais detalhadas sobre a história e o desenvolvimento humanos”, disse Aki, que agora está na Universidade de Princeton e não participou da nova pesquisa. Ele elogiou o novo método de estudo.

CLIQUE AQUI PARA APLICAR FOX NEWS

No entanto, Alan Templeton, um geneticista populacional da Universidade de Washington em St. Louis, questionou a suposição dos autores de que as mudanças no genoma humano são distribuídas aleatoriamente, em vez de agregadas em torno de pontos específicos dentro do genoma.

Os resultados confirmam que “somos, na verdade, uma espécie muito pequena”, disse Aki. “Não muito tempo atrás, nós compartilhamos o planeta com outras raças humanas.”

Annaliese Franke

"Analista. Adorável leitor ávido de bacon. Empreendedor. Escritor dedicado. Ninja do vinho premiado. Um leitor sutilmente cativante."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top