O autor desse texto tem 20 anos, na última final entre Corinthians X Palmeiras em 1999, tinha apenas 1 ano de idade, então a única coisa que sei daquela final e por TV é história; assim como as outras finais que já tiveram, uma final já desestabiliza qualquer amante de futebol, e uma final entre duas equipes que você jamais viu jogar, essa sensação multiplica por 10 no mínimo. Com todo respeito a Santos e São Paulo, mas uma final entre Corinthians X Palmeiras eleva o charme do futebol paulista, já que querendo ou não esse é o melhor clássico do país (desculpas ao pessoal de Poa, Bh e Rio, pois essa é a verdade). Derby o jogo do século.

As duas equipes fizeram 5 finais, o Palmeiras saiu vitorioso em 3 (1936, 74, 93), já o Corinthians em duas oportunidades (1995 e 99), apesar das poucas finais disputadas entre as equipes essas finais é impossível de sair da cabeça de qualquer torcedor independente se assistiu ao vivo ou não, contarei um pouco desses 5 campeonatos.

1936

Ainda como Palestra Itália, e uma rivalidade que começava a acender aos poucos, já que 3 anos atrás a equipe do Palestra ganhava por 8a0 do Corinthians que até hoje é a maior goleada do clássico, no primeiro jogo no Parque São Jorge ficou no empate de 0a0, no Parque Antártica a equipe Alviverde venceu por 2a1 com gols de Luizinho e Moacir e para equipe Alvinegra o gol foi de Filo, esse campeonato foi o ponta pé para uma das maiores rivalidades do país.

Pôster do Palestra Italia campeão em 1936

1974

O Corinthians já estava 20 anos sem ganhar um título.

O garoto do Parque (Rivellino) buscava seu primeiro título com a camisa do Timão. Uma das melhores equipes montadas no período da fila de 23 anos, apontado pela própria imprensa como o favorito. Mas no caminho apareceu a Academia do Palmeiras para estragar o sonho alvinegro. No primeiro jogo ficou 1a1, no segundo jogo com maioria esmagadora corintiana, aos 24 minutos do segundo tempo o estádio via Ronaldo marcar e deixar o Corinthians por mais tempo na fila do título.

Rivellino e Ademir da Guia na final daquele ano
Rivellino e Ademir da Guia na final daquele ano

1993

A empresa de laticínios Parmalat começava os investimentos para tirar o Palmeiras da fila de 16 anos sem títulos. E novamente o destino da bola colocava o Derby na final do paulista; no primeiro jogo surpreendendo a todos o Corinthians venceu por 1×0 com gol de Viola. Segundo o regulamento do campeonato no segundo jogo bastava uma vitória do Palmeiras para levar a prorrogação; e de forma encantadora o time alviverde fez 3×0 no tempo normal, onde na prorrogação e com dois jogadores a mais (Ronaldo, Henrique e Ezequiel expulsos, e para o Palmeiras Tonhão), Evair com toda calma e tranquilidade fazia de pênalti e tirava um peso das costas do torcedor.

Evair batendo o penalti e tirando o Palmeiras da fila
Evair batendo o penalti e tirando o Palmeiras da fila

1995

Dois anos depois voltava a se fazer a mesma final entre as equipes. Mas agora de forma diferente. Os dois jogos da final foram disputados em Ribeirão Preto, com o clima de revanche dentro daquele time. No primeiro jogo ficou empatado por 1×1. No jogo de volta o mesmo placar e pôr coincidência os jogadores que fizeram os gols foram os mesmos nas duas partidas; Marcelinho Carioca para o Corinthians e Nilson para o Palmeiras. Na prorrogação Eliventon marcava e tirava a agonia da torcida e enfim, o Corinthians conquistava seu primeiro título em cima do Palmeiras.

Muller tentando (em vão) tirar de cabeça a perfeita falta de Marcelinho Carioca
Muller tentando (em vão) tirar de cabeça a perfeita falta de Marcelinho Carioca

1999

Ao lado da final de 1993, essa é a final mais lembrada pelos torcedores.

o Palmeiras naquele ano eliminou o Corinthians nas quartas de finais da Libertadores; as finais do paulista por acaso caía a um mês depois daquele jogo, de fato o Palmeiras estava com a cabeça na Libertadores; mas isso não importou isso para o Corinthians que ganhou por 3×0 no primeiro jogo. No segundo o Palmeiras tinha sido campeão da Libertadores na mesma semana; então de forma provocativa colocou que o Corinthians colocaria a faixa no rival. Além de alguns jogadores do Palmeiras entrar com o cabelo verde, o jogo foi 2a2, mas a parte que todos lembram são as embaixadas do Capetinha e talvez a maior briga entre jogadores em um clássico.

Edilson provocando o Palmeiras com as famosas embaixadinhas
Edilson provocando o Palmeiras com as famosas embaixadinhas

Morumbi e Torcida

Apesar do estádio não ser de nenhuma das duas equipes é louvável lembrar que o Morumbi tem peso especial nessa história; já foi palco desses memoráveis jogos e já fazendo um comentário, olhando as festas das torcidas nas 5 finais é triste saber que nesse sábado e domingo que vem teremos apenas 1 torcida nos estádios; deixando o espetáculo incompleto.

E para finalizar, espero que seja um grande clássico e que tanto corintianos e palmeirenses daqui a 19 anos tenham boas histórias para contar dessa final.

Comenta aí:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here