O vídeo mostra Piqué fazendo xingamentos anti-gay contra Hamilton

São Paulo (AFP) – Mais vídeos na mídia brasileira mostram o campeão aposentado de Fórmula 1 Nelson Piquet usando linguagem anti-gay e mais insultos racistas sobre Lewis Hamilton.

O Grande Prêmio postou um vídeo na noite desta quinta-feira – aparentemente filmado no ano passado com Piquet falando português – em que o brasileiro de 69 anos usa linguagem anti-gay para dizer que o britânico não estava focado em desafiar o companheiro de equipe da Mercedes Nico Rosberg pelo título de 2016 conquistado pelo alemão. Houve também uma quarta instância de calúnia racial sobre Hamilton, que é negro.

Quanto à calúnia anterior que recebeu maior atenção nesta semana, Piqué já foi amplamente condenado pela F1, pilotos, equipes e o órgão regulador, a FIA.

Em um podcast em novembro passado, Pique discutiu o acidente entre Hamilton e Max Verstappen durante o GP da Inglaterra do ano passado. Piqué se referiu a Hamilton em português como “neguinho”, que significa “pretinho”. O termo não é necessariamente um insulto racial no Brasil, mas uma expressão cada vez mais vista como abominável, e seu fraseado também pode confirmar isso.

Piqué pediu desculpas a Hamilton na quarta-feira, mas disse que o termo, embora “não bem pensado”, não pretendia ser ofensivo. Ele acrescentou que a palavra “neguinho” pode ser usada como abreviação de “gente em geral”. Mas seu fraseado nesta parte do vídeo não deixou dúvidas de que ele estava escalando Hamilton como o “pequeno homem negro”, ao qual ele acrescentou insultos anti-gay.

O porta-voz de Piqué não comentou o vídeo, que foi postado na quinta-feira a pedido da Associated Press.

Não houve resposta imediata de Hamilton ou Verstappen à filmagem do Grande Prêmio.

READ  A reviravolta pós-créditos do professor Marvel é explicada pelo editor-chefe

Piqué foi suspenso na quinta-feira de sua associação honorária do British Drivers’ Club, que possui e opera Silverstone, o local do GP desta semana.

Hamilton defendeu uma mudança nas “antigas mentalidades”. Depois que o ex-chefe da Fórmula 1 Bernie Ecclestone defendeu Piqué na televisão britânica, Hamilton questionou por que “vozes mais velhas” recebem tanto destaque na Fórmula 1.

O líder da série, Verstappen, que está em um relacionamento com a filha de Pique, Kelly Beckett, disse na quinta-feira que Pique usou a palavra “extremamente ofensivo” para descrever Hamilton, mas não acha que Pique seja racista.

Piqué, campeão da F1 em 1981, 1983 e 1987, dividiu os fãs de Fórmula 1 no Brasil por continuar subestimando o também astro brasileiro Ayton Senna, questionando sua orientação sexual sem provas.

Cena, o campeão Hamilton, foi morto em um acidente de 1994 em San Marino. No entanto, Piqué se referiu à homofobia de Senna, mais recentemente em uma entrevista de 2020.

Piqué também irritou os fãs da Fórmula 1 por seu forte apoio ao presidente brasileiro de extrema-direita Jair Bolsonaro. Os apoiadores de Piqué nas redes sociais disseram que o último vídeo de Piqué se tornou viral como parte de uma campanha de difamação política contra o presidente.

___

Mais AP Motorsports: https://apnews.com/hub/auto-racing e https://twitter.com/AP_Sports

Swanhilda Müller

"Jogador. Introvertido. Solucionador de problemas. Criador. Pensador. Evangelista vitalício de alimentos. Defensor do álcool."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back to top