Polícia brasileira recomendou homicídio e acusações ambientais no desastre da barragem do Vale

Fotos das vítimas são vistas em 25 de janeiro de 2020, durante o aniversário de um ano do desastre da Represa Tailing, que pertencia à mineradora brasileira Vail SA em Brámadino, no estado de Minas Gerais, Brasil. REUTERS / Cristiane Mattos

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado a reuters.com

Rio de Janeiro, 11 de novembro 26 (Reuters) – A polícia brasileira indicou várias acusações criminais contra a mineradora VALE3.SA e a alemã TUV SUD por causar a explosão de uma barragem em 2019 que matou 270 pessoas e causou extensos danos ambientais. Uma declaração na sexta-feira.

A investigação da Polícia Federal, uma das várias investigações paralelas ao incidente que devastou comunidades no estado de Minas Gerais, apontou que “foram cometidos vários crimes relacionados à poluição, bem como” crimes contra a fauna e a flora terrestre e aquática. ” “

A polícia recomendou acusações, incluindo assassinato, contra 19 pessoas que trabalhavam na empresa Vail, que pertencia à barragem, e a TUV SUD, que inspecionou a estrutura.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado a reuters.com

Em 2020, promotores estaduais de Minas Gerais ajuizaram acusações de homicídio contra 16 pessoas, embora funcionários estaduais estivessem envolvidos em uma longa disputa com o Ministério Público Federal sobre sua jurisdição.

O Ministério Público Federal agora vai examinar as recomendações da Polícia Federal e determinar se eles farão as acusações recomendadas.

Vail disse que a segurança sempre foi uma prioridade e ele não tinha informações de que a barragem iria ruir. Depois que a empresa recebeu o último relatório policial, a empresa disse que seu advogado iria comentar o assunto.

A TUV SUD não respondeu a uma solicitação de comentário fora do horário comercial normal.

READ  Marta e Formica lideram a seleção brasileira de futebol feminino nas Olimpíadas de Tóquio

A Polícia Federal concluiu uma investigação separada sobre o desastre em 2019, que se concentrou em relatórios incorretos para os reguladores.

Em fevereiro, a empresa fechou um acordo de US $ 37,7 bilhões (US $ 6,72 bilhões) com advogados e com o estado de Minas Gerais para dirimir ações cíveis decorrentes do colapso.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado a reuters.com

Relatório de Gram Slatery e Marta Noguevara; Edição de Sam Holmes e Cynthia Asterman

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Tadday Köhler

"O desconfortavelmente humilde fã de TV. Generalista de Twitter. Entusiasta de música extrema. Conhecedor de Internet. Amante de mídia social".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top