Finalmente foi a vez dele, o Iceman, Kimi Raikkonen, ter seu momento de triunfo. Embora a chance de vitória de Lewis Hamilton era grande, o líder do campeonato teve que parar duas vezes. O estrategista da Ferrari se redimiu um pouco, levando Raikkonen a administrar o ritmo e recuperar a liderança da prova.

Hamilton não conseguiu se sagrar campeão ainda, mas fez uma excelente corrida. Ele precisava conseguir uma vantagem de oito pontos sobre Vettel para tal. Foi ultrapassado logo na largada por Raikkonen, retomou a posição, mas perdeu na segunda parada. Nas últimas voltas se enroscou com Max Verstappen, mas não conseguiu a ultrapassagem e acabou errando.

Verstappen foi eleito o piloto do dia, saindo de 18º para chegar em 2º. O honladês teve a suspensão danificada no Q1 e teve que trocar peças. Como as Toro Rosso também foram punidas, não largou em último.

Vettel largou em quinto, mesmo se classificando em segundo, em função de uma punição. Ele novamente se atrapalhou nas ultrapassagens. Ao forçar para cima de Ricciardo bem no começo da prova, rodou forte na curva e perdeu muitas posições. O alemão conseguiu ainda se recuperar e chegar em quarto, mantendo assim o campeonato vivo.

Hamilton faz a pole novamente

Os treinos em Austin foram marcados pela chuva intensa. Por isso, não serviram de previsão para o grid no domingo. Só para ilustrar, no FP2 Gasly foi o segundo mais rápido e Alonso o quarto.

Hamilton liderou o primeiro e o segundo treinos livres, enquanto Vettel o terceiro. As Ferraris conseguiram recuperar o ritmo na pista americana, sempre seguindo as Mercedes de perto. Mas no Q3, não teve discussão: Hamilton fez o que faz de melhor outra vez. Pela 81ª vez para ser mais preciso.

A punição para Vettel veio no FP1, sendo que ele não reduziu a velocidade durante uma bandeira vermelha, perdendo três posições.

Hamilton celebra a 81ª na frente das câmeras. (Fonte: mercedesamgf1.com/Wolfgang Wilhelm)

Raikkonen ganha a primeira posição na primeira curva

Hamilton largou com os pneus super macios, ao passo que Raikkonen, ao seu lado, com os ultramacios. O inglês, do lado de fora da pista, pressionou o finlandês na clássica subida que leva à primeira curva. Contudo, Kimi conseguiu tracionar o carro melhor próximo ao ápice da curva e ultrapassou, abrindo vantagem na saída.

Enquanto isso, Vettel,Bottas, Verstappen e Ricciardo mantinham as posições. Carlos Sainz chegou a cortar a pista nessas primeiras curvas. A direção de prova considerou que ele ganhou vantagem e o puniu com cinco segundos posteriormente. Mesmo assim o espanhol e a Renault conseguiram fazer uma excelente corrida.

Logo na primeira perna da exigente série de curvas de alta, Alonso se chocou com seu “arqui-rival” Lawrence Stroll. O espanhol acabou fora da prova e o canadense. O bicampeão esbravejou no rádio dizendo que não era possível correr com Stroll.

Largada agitada deu a liderança da prova para Raikkonen (Fonte: Twitter oficial Fórmula 1)

Vettel sucumbe à pressão

Ainda na primeira volta, Vettel vinha forte para tentar ultrapassar Ricciardo. Os dois ex-companheiros protagonizaram uma boa briga. Todavia, parece que Vettel não estava gostando da brincadeira: ao entrar em uma curva, calculou mal o espaço e acabou rodando. Enquanto o vice líder do campeonato agonizava em meio a fumaça, caia para a 14ª posição.

Enquanto isso, Verstappen já estava em 9º. Leclerc e Grosjean se chocaram, acabando com a corrida para o francês. O monegasco teve que parar para reparos e não conseguiu recuperar durante a prova.

Na ponta, Hamilton mantinha um ritmo similar ao de Raikkonen, mantendo a diferença na casa dos dois segundos. Kimi fez duas melhores voltas nesse período. Na volta 7, Vettel já era o 8º e Verstappen se aproximava de Hulkenberg, brigando pela P6.

Vettel espalha fumaça pela pista ao rodar na primeira volta. (Fonte: Twitter Oficial Fórmula 1)

O retorno de Zicciardo

Na volta 9,o conjunto de letras “RIC” podia ser visto descendo o grid. Ricciardo estava mais uma vez abandonando. O motor Renault falhara com ele de novo. Saindo do carro com sua roupa de caubói, caminhou decepcionado pelo deserto texano.

Mais tarde, confessou ao repórter da TV Globo, Guilherme Pereira que estava muito frustrado e que precisava achar um bar para se embebedar. Fica aqui a torcida para que no ano que vem a Renault entregue um carro e um motor à altura do talento do australiano.

Na volta 12, o Safety Car Virtual entrou na pista. Alguns pilotos aproveitaram para parar, incluindo Hamilton, que colocou os macios. Na volta 13, Vettel já estava de volta para sua posição original.

Estratégia perfeita?

Ao voltar, Hamilton imprimiu um ritmo muito forte, chegando ao companheiro Bottas rapidamente. Passou com felicidade. Esse ritmo forte é um dos motivos para que ele tenha sofrido tanto com o desgaste na prova, resultando em duas paradas. Porém, nesse ponto ninguém ousava dizer que a Mercedes errara e a Ferrari já estava sendo acusada de jogar uma corrida fora.

Fato é que o atual campeão foi se aproximando do líder. Quando a diferença estava abaixo dos três segundos, Raikkonen deu um show. Com os ultramacios desgastados, segurou Hamilton maestralmente até a sua parada na volta 21. A cada zona de DRS e a cada curva, a aproximação de Hamilton não intimidou o veterano de 39 anos.

Nesse ínterim, Perez se aproximou de Ocon, já pedindo para a Racing Point deixá-lo passar. Dessa vez não colou. Nesse ponto Hartley já mostrava serviço com uma ótima recuperação, vindo do fim do pelotão.

Na volta 22 Verstappen parou, seguido por Bottas na 23. Raikkonen conseguiu novamente mais uma melhor volta. Quando o finlandês se aproximou do companheiro de equipe, a Ferrari inverteu sua hierarquia interna e pediu para que Vettel o deixasse passar. O alemão começou a sentir o desgaste nos pneus e parou na volta 27. Na volta 29, ele fez a melhor volta.

Começa o 2º round

Raikkonen tinha 17 segundos para tirar de Hamilton. Ele conseguiu tirar alguns, à medida que o rival percebia que teria que parar outra vez. Bolhas já estavam visíveis no pneu do inglês. A parada veio na volta 37, colocando mais um set de macios. Ele voltou na 4ª posição, na frente do rival pelo título.

Logo Hamilton já estava voando: na volta 40 fez a melhor volta e quebrou o recorde da pista. Verstappen se aproximava de Raikkonen, enquanto Vettel também chegava nos ponteiros. Algo épico estava se desenhando: Raikkonen x Verstappen x Hamilton no final da prova.

E foi o que os fãs receberam. Para ser campeão nos EUA, Hamilton precisava passar Verstappen. Na volta 54, depois de muito tempo se aproximando, ele partiu para o ataque. A briga foi acirrada, cada metro importava. Na grande curva de alta no último setor, ele acabou escapando da pista, dando a vantagem para o jovem holandês. Se terminasse assim, como  acabou terminando, Hamilton não seria campeão. Kimi, se livrando da pressão, se dirigiu para a vitória.

Vettel se aproximou o suficiente de Bottas para tentar algo. Mas ele não precisou se esforçar, já que o número 77 acabou se atrapalhando sozinho e saindo da pista. Assim, com Vettel em 4º e Hamilton em 3º, a decisão estava confirmada para o México.

Vettel se aproveita do erro de Bottas e vai para 4º. (Fonte: Twitter Oficial Fórmula 1)

A tão esperada vitória

113 corridas. Esse é o total de provas que Kimi ficou sem subir ao posto mais alto do pódio. Desde 2013, ainda na Lotus, na Austrália, que ele não aparecia por lá. E dessa vez foi com classe. Sem a obrigação de trabalhar pela equipe, fez a sua corrida, superando Hamilton e Verstappen para isso. Mérito total para ele. “Obviamente estou muito mais feliz do que terminando em segundo”, comentou.

Hamilton cumprimenta Raikkonen pela vitória. (Fonte: Twitter Oficial Mercedes)

Hamilton também fez uma excelente prova, não poderia ser diferente. A estratégia o comprometeu, mas tinha tudo para já se sagrar campeão. Dificilmente isso não vai acontecer na próxima corrida. “Parabéns ao Kimi, e bom trabalho do Max também. Foi o melhor que pudemos fazer hoje”, disse. Verstappen, o rei das recuperações, também tem seu mérito. Como é bom ver as três equipes de ponta no pódio.

Vettel poderia ter se saído muito pior. Mas conseguiu uma boa recuperação e ainda adiar o título de Hamilton. Se mostrou feliz pelo companheiro de equipe, mas claramente decepcionado. Infelizmente, é o triste responsável por não termos um campeonato ainda mais emocionante. A próxima corrida é no México, no dia 28 de outubro. Também conhecido como domingo que vem. Nos vemos por lá.

Resultado final do Grande Prêmio dos Estados Unidos 2018. (Fonte: Twitter oficial F1)
Comenta aí:

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here