Redescobrindo as raízes africanas da arte marcial brasileira Capoeira

Capoeira treinada em Angola

Artes marciais como a dança brasileira são conhecidas como a casa da Capoeira, mas suas raízes estão em todo o Atlântico. Em Angola, um homem está tentando resgatar uma velha tradição, ajudando as pessoas a se reconectar com seu patrimônio, escreve Marcia Vega.

Linha cinza de apresentação curta

Linha cinza de apresentação curta

Três vezes por semana, no calor da tarde, Lucio Nungu soa em um brilhante recife de coral em Luanda, capital de Angola.

Ele segue a passarela até a pequena quadra de basquete, que ecoa os sons de aplausos, músicas e tambores liderados por músicos enquanto o sol começa a se pôr.

Ao seu redor, em segurança, alunos, vestindo camisetas amarelas com máscaras tradicionais, aguardam ansiosamente aos pares para entrar no meio.

Em sincronia, eles começam a dançar da base para a esquerda em um movimento chamado jinga.

Entre eles, quase em transe, o líder balançava a cabeça e se perdia no slogan: “Mais ou menos, existe um saber diferente”.

Esta é a Capoeira Angola, uma versão de arte marcial raramente praticada no Brasil ou Angola.

Mas seu nome fala das origens da arte há muitos séculos – antes que as pessoas fossem escravizadas e levadas da costa sul-africana para a América do Sul.

Músicos

A música desempenha um papel importante na Kaporia

Hoje é feito no Brasil com ritmos e cantos de chamada e resposta encontrados nas tradições africanas. É importante adicionar ferramentas para distrair o público.

A influência africana é subestimada

A capoeira Angola tem um toque cerimonial e os movimentos são principalmente baixos no solo, com foco na precisão. É por isso que a música é mais lenta do que a versão dominante conhecida regionalmente.

READ  Dados do terceiro ano, sinais de desmatamento na Amazônia no Grande Brasil :: WRAL.com

A distinção entre a Capoeira Angola e a região da Capoeira é sutil, mas a Capoeira Angola tem mais ferramentas, e seus praticantes acham que é mais espiritual.

Ngungi pretende tornar esta versão popular novamente.

Quase duas décadas atrás, ele começou a treinar na região da Capoeira, mas sete anos depois, quando Capoeira ouviu falar de Angola, ele imediatamente soube que a região não existia mais para ele.

“Eu ficava me perguntando: ‘Por que treinar para a região quando vou às raízes do meu país?’ O 36-year-old disse.

& quot;  Às vezes fico um pouco irritado quando penso em como as contribuições de Angola para a Capoeira estão sendo descontadas & quot;  & quot;

“Às vezes fico um pouco irritado quando penso em como são descontadas as contribuições de Angola para a Capoeira”, Fonte: Lucio Ngunio, Fonte: Capoeira Angola Contromastre, Imagem: Lucio Nungu

Com informações limitadas, ele procurou o brasileiro Pentecostal Trinidad – também conhecido como Maestro Moraes – na década de 1980 ele soube que foi o Mestre de Capoeira Angola o responsável por revivê-lo.

“Às vezes fico um pouco irritado quando penso em como as contribuições de Angola para a Capoeira estão sendo descontadas”, diz Nangungi.

Segundo o Maestro Moraes, a influência africana foi deliberadamente subestimada, em parte devido ao racismo.

“Foi reconhecida como parte da cultura africana e recebeu o nome de agressão por conta da associação de escravos”, explica.

Capoeira treinada em Angola

A capoeira foi originalmente criada como uma forma de mostrar as pessoas dançando

Em meados do século 16, enquanto trabalhavam no campo, os escravos mais tarde se tornaram os primeiros vaqueiros do Brasil, disfarçando as artes marciais como danças folclóricas.

Após a abolição da escravidão no Brasil em 1888, o governo proibiu a Capoeira, temendo que seu uso tornasse mais difícil reprimir qualquer revolta de escravos libertos.

READ  Studio Arthur Casas renova apartamento megawatt em prédio moderno do Brasil

Foi para a clandestinidade, e muitos negros continuaram a observar o reconhecimento da Capoeira como Angola em lugares escondidos, usando apelidos para proteger sua identidade.

Na década de 1930, Reyes Machado, também conhecido como Mestre Pimba, idealizou uma forma de ensinar Capoeira, o que facilitou o aprendizado.

Depois de persuadir as autoridades sobre o valor cultural das artes marciais, a proibição foi suspensa e ele abriu a primeira escola de capoeira no Brasil.

No entanto, a Capoeira ainda era desprezada, especialmente pelos brasileiros de classe alta.

Em resposta, o Maestro Pimba estabeleceu novos padrões – ele introduziu uniformes brancos e limpos, os alunos foram obrigados a mostrar boa postura e criou um sistema padrão.

Como resultado, a Capoeira começou a atrair um novo público, e ele se interessou por praticar Capoeira dentro de casa.

Este é o início da região da Capoeira.

Capoeira treinada em Angola

Capoeira tem um ritmo mais lento que a região de Angola

Como alguns praticantes continuam a seguir o antigo padrão, eles concordaram em chamá-la de Capoeira Angola para diferenciá-la. Mas, com o tempo, foi marginalizado e em grande parte esquecido.

A capoeira tem um ritmo mais rápido na região do que Angola. Mestre Pimba facilitou o uso de ferramentas que contavam apenas com pantherios (pandeiro) e um perimbav (instrumento dobrado).

‘Isso limpa minha raiva’

Apesar do nome, a afirmação de que a Capoeira agora apareceu em Angola continua a ser especulativa, visto que os escravos que saíram do cais de Luanda vieram de toda a África do Sul e Central.

No entanto, também está ligada a tradições angolanas como o N’Golo – onde dois jovens lutadores lutam contra zebras para competir pela mão da noiva.

Mas seja qual for o pano de fundo certo, Nangki estava determinado a se reconectar com uma história pré-escravidão e inspirar orgulho sobre seu passado em Angola.

READ  Projeto de Lei para Reduzir Melhorias em Direitos Fundiários Internos no Congresso Brasileiro

Foi deportado aos 15 anos durante a guerra civil de Angola, mas quando regressou em 2014 queria ajudar a mudar o país.

Nangungi tornou-se assistente social e abriu a primeira escola de Capoeira Angola do país, Escola de Capoeira Angola Okubandula, que significa “Obrigado e seus antepassados”.

& quot;  Tenho orgulho de participar como um homem livre, livre da escravidão & quot;  & quot;, Fonte: Marcos, Fonte: Estudante de Capoeira Angola, Imagem: Marcos

“Tenho orgulho de ser um homem livre que saiu da escravidão”, Fonte: Marcos, Fonte: Estudante de Capoeira Angola, Imagem: Marcos

Ele detém o título de Contramestre e tem um corpo discente pequeno, mas entusiasmado.

Os sons hipnóticos dos instrumentos – o akoka (sinos), o attapak (tambor) e o perimbavo agiam como um ímã para se mover pelo terreno da escola.

Kelly, uma estudante de 17 anos, disse: “Quando vi Contramester pela primeira vez, estava tentando descobrir de onde vinha o som.

Da mesma forma, Marcos, de 18 anos, descobriu a Capoeira Angola há cinco anos, ouvindo uma leitura rítmica de sua varanda.

“Eu treino Capoeira Angola cinco dias por semana e adoro como ela alivia a minha raiva, me ajuda a encontrar o equilíbrio, lidar com o estresse e esquecer o mundo exterior”, diz ele.

Ensinar os alunos sobre o significado histórico de Angola fora da cultura europeia é obrigatório na escola.

‘Parte do Grande’

“Aprendi mais sobre a minha cultura e país através da Capoeira Angola do que na escola”, diz o estudante Agunilo, de 15 anos.

O Maestro Moraes Capoeira compara Angola a um símbolo do infinito, o que reflete o fato de que dentro do círculo a Capoeira percebe que não há limites ou autoridade.

“Isso ensina você a fazer parte do grande negócio”, diz ele.

Os alunos de Ngungi são a força vital disso.

“Como um homem livre, tenho orgulho de participar de uma das liberdades que emergiram da escravidão”, diz Marcos.

O sonho de Nangunki é um dia comprar um terreno suficiente para construir uma academia e incentivar os jovens a usar a Capoeira Angola.

“Preocupo-me mais com o meu povo e continuo a lembrá-los de que retribuir não é um dever, é um dever.”

Tadday Köhler

"O desconfortavelmente humilde fã de TV. Generalista de Twitter. Entusiasta de música extrema. Conhecedor de Internet. Amante de mídia social".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top