Rússia diz que cerco a Azovstal acabou, vídeo mostra defensores se rendendo

(Reuters) – O Ministério da Defesa da Rússia disse nesta sexta-feira que o último grupo de soldados ucranianos escondidos nas siderúrgicas Azovstal em Mariupol se rendeu, marcando o fim de uma ofensiva de semanas que devastou a cidade.

O completo abandono dos bunkers e túneis da usina bombardeada pelo Regimento Azov significa o fim do cerco mais devastador da guerra que começou quando a Rússia invadiu a Ucrânia há quase três meses.

“As terras da Usina Metalúrgica Azovstal… foram completamente liberadas”, disse o ministério em comunicado. Acrescentou que o grupo que se rendeu era composto por 531 pessoas.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Um vídeo do Departamento de Defesa que pretende mostrar a rendição mostrou um grupo de homens desarmados se aproximando de soldados russos do lado de fora da fábrica e dando seus nomes. Então os russos revistaram cuidadosamente cada homem e seus pertences, e pareceram pedir aos defensores que mostrassem suas tatuagens.

Moscou chama o regimento Azov de “os nazistas”. A unidade, formada em 2014 como uma milícia para combater separatistas apoiados pela Rússia, nega ser fascista, e a Ucrânia diz que foi reformada a partir de suas origens nacionalistas radicais.

“As instalações secretas da empresa, onde os militantes estavam escondidos, estavam sob controle total das forças armadas russas”, disse o comunicado russo, acrescentando que 2.439 defensores se renderam nos últimos dias.

Acrescentou que o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, disse ao presidente Vladimir Putin que Mariupol e a siderúrgica foram completamente liberadas.

A Ucrânia ordenou a retirada da guarnição do exército na segunda-feira. Horas antes do anúncio russo, o presidente Volodymyr Zelensky disse que os militares ucranianos disseram aos defensores que eles poderiam sair e salvar suas vidas.

Kiev chama os defensores de heróis, dizendo que sua postura linha-dura ajudou a restringir as forças russas e permitir que a Ucrânia tenha sucesso em outros lugares no campo de batalha.

Zelensky disse que a força aérea ucraniana tentou transportar suprimentos para Mariupol, mas foi derrotada e sofreu grandes perdas.

“Infelizmente, muitos de nossos pilotos morreram”, disse ele à televisão ucraniana. “Eles eram pessoas absolutamente heróicas e sabiam que era quase impossível voar para lá, voar para Azovstal com remédios, comida, água e trazer de volta os mortos e feridos.”

Anton Gerichenko, conselheiro do Ministério do Interior ucraniano, disse que a defesa da usina será ensinada nas escolas militares nos próximos anos. Ele disse que os que estavam dentro não tinham água limpa, apenas comida suficiente para uma refeição por dia e quase nenhum suprimento médico.

“Você entende o que significa amputar um membro sem anestesia? O que você vê nos filmes de terror de Hollywood não é nada comparado ao que os defensores de Azovstal viram e suportaram”, disse ele à televisão ucraniana antes do anúncio russo.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(relatórios de David Leungren). Edição por Grant McCall e Rosalba O’Brien

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

READ  Blinken chama a mobilização no tribunal de "antidemocrática", alguns democratas pressionam por isso

Menno Lange

"Geek da Internet. Entusiasta da comida. Pensador. Praticante de cerveja. Especialista em bacon. Viciado em música. Viajante."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back to top