Siemens Kamza inicia instalação de aerogeradores de nova geração no Brasil – Administrador

O logotipo da Siemens Kamza será exibido em 28 de abril de 2022 na sede da Renewable Energy Company em Jamudio, Espanha. REUTERS/Vicent West

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

SÃO PAULO, 9 Mai (Reuters) – A Siemens Camsa (SGREN.MC) começou a instalar motores de nova geração para energia eólica costeira no Brasil, disse o diretor-geral do país, Philippe Perez, à Reuters nesta segunda-feira.

Com 6,2 megawatts (megawatts) de potência e 170 metros (558 pés) de vórtice, a Siemens é o primeiro país do mundo a operar o parque eólico Kemza, o maior do mundo, disponível para produção eólica costeira.

Este modelo atraiu a atenção de grandes investidores em energia eólica – porque atualiza os parques eólicos, tornando-os mais potentes com menos motores – e, no futuro, pode até ser usado para “pequenas” atualizações marítimas, disse Ferres.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

As primeiras máquinas fabricadas na Bahia foram instaladas no complexo aéreo de Tucano, da AES Brasil (AESB3.SA).

A Siemens Kemza, que até alguns anos fabricava aerogeradores de 3,5 MW, percebeu o interesse do mercado pelo novo modelo e já assinou acordos de distribuição com a Essencia e a NG Brasil, disse o executivo.

Ferres disse que ainda não tem dúvidas de que se formará um mercado aéreo marítimo no Brasil, mas entende que a velocidade desse processo está diretamente ligada ao crescimento da produção de hidrogênio verde.

A Siemens Kemsa, que domina o mercado global de turbinas eólicas costeiras, disse que até 2030 será possível produzir hidrogênio usando energia de combustível fóssil o mais barato possível sem liberar gases de efeito estufa.

READ  Atualização de 1º de junho: aumento da dívida pública do Brasil, reserva de caixa sobe para níveis recordes

“Pensando apenas na expansão do parque eólico para atender o mercado de energia elétrica, estamos em um ‘platô’ de 4 gigawatts por ano estabelecido para toda a indústria, não há muita chance de mudança… agora, quando começamos. Produzindo hidrogênio verde para atender a demanda global de energia, quantidade crescente, e você tem que ir para o mar…”.

Apesar da demanda por novos pedidos, Ferres disse que a Siemens Kemza e outros fabricantes em todo o mundo foram afetados pela quebra das cadeias de produção devido às pressões associadas à epidemia do Governo-19 e ao aumento dos preços das matérias-primas.

No Brasil, o principal impacto é nos custos porque a indústria eólica brasileira não é altamente dependente de importações.

Ele avalia que os preços das matérias-primas, como o aço, provavelmente não cairão a qualquer momento, já que a guerra na Ucrânia e suas consequências podem pressionar as commodities por algum tempo.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Edição por Leticia Fukushima Reportagem por Chris Reese e Marguerite Choi

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Tadday Köhler

"O desconfortavelmente humilde fã de TV. Generalista de Twitter. Entusiasta de música extrema. Conhecedor de Internet. Amante de mídia social".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back to top