Ucrânia tenta expulsar a Rússia das principais cidades: notícias ao vivo

Encorajadas por armamento avançado e artilharia de longo alcance fornecidas pelo Ocidente, as forças ucranianas lançaram sua ofensiva na sexta-feira contra as forças russas no nordeste, tentando expulsá-las de duas grandes cidades enquanto a guerra se aprofundava em uma cansativa batalha urbana.

Após semanas de combates ferozes ao longo de uma frente de 300 milhas, nenhum dos lados conseguiu um grande avanço, com um exército capturando algumas aldeias um dia, apenas para perder um número semelhante nos dias seguintes. Em seu mais recente esforço para recuperar território, os militares ucranianos disseram que “batalhas ferozes” estão sendo travadas para retomar áreas controladas pelos russos em torno de Kharkiv, no nordeste, e Izyum, no leste.

A escalada dos combates ocorreu quando a Casa Branca anunciou na sexta-feira que o presidente Biden se reunirá no domingo com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky e líderes do Grupo dos Sete, que inclui Grã-Bretanha, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e Estados Unidos. Estados.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, observou que os líderes se reunirão enquanto o presidente russo, Vladimir Putin, se prepara para celebrar a celebração anual do Dia da Vitória na segunda-feira com desfiles militares e discursos comemorando a vitória da União Soviética sobre a Alemanha nazista.

O feriado intensificou os temores na Ucrânia e em algumas capitais ocidentais de que Putin possa usar a ocasião para expandir sua invasão em 24 de fevereiro, depois que sua liderança inicial não conseguiu derrotar o exército ucraniano e derrubar o governo.

“Embora se esperasse que ele andasse pelas ruas de Kiev, na verdade não é isso que vai acontecer”, disse Psaki. Ela descreveu a reunião do G7 como “uma oportunidade não apenas para mostrar como o Ocidente está unido diante da agressão e invasão do presidente Putin, mas também para mostrar que a unidade requer ação”.

A Ucrânia pediu nesta sexta-feira que os civis se preparem para ataques mais severos antes do Dia D da Rússia, alertando-os para evitar grandes aglomerações e impondo um novo toque de recolher de Ivano-Frankivsk, no oeste, a Zaporizhia, no sudeste.

crédito…Daniel Berholak para The New York Times

As forças policiais ucranianas também foram colocadas em alerta máximo antes do feriado, que será comemorado na Rússia com desfiles militares em Moscou e centenas de outras cidades.

READ  O Congo diz que tem que lutar contra um inimigo comum com Uganda enquanto os soldados cruzam a fronteira

Vadim Denisenko, um conselheiro do Ministério do Interior da Ucrânia, alertou os civis que eles podem arriscar suas vidas reunindo-se em lugares lotados.

“Todos nos lembramos do que aconteceu na estação de trem em Kramatorsk”, disse Denisenko via Telegram, referindo-se ao Um ataque de míssil devastador naquela cidade do leste no mês passadoDezenas de pessoas foram mortas enquanto lotavam as plataformas ferroviárias, tentando escapar da invasão.

“Seja vigilante”, disse Denisenko. “Esta é a coisa mais importante.”

O governador regional de Luhansk no leste da Ucrânia, Sergei Haiday, alertou que as forças russas estão se preparando para uma “grande ofensiva” nos próximos dias contra duas cidades do leste, Severodonetsk e Bobsana. Ele atacou o que chamou de “terror contínuo” na área, dizendo que o recente bombardeio russo matou duas pessoas e destruiu dezenas de casas.

Os ataques com mísseis russos na Ucrânia se intensificaram nos últimos dias, enquanto Moscou tenta diminuir o fluxo de armas ocidentais pelo país. Mas como acontece com muitos aspectos da guerra, a incerteza sobre as intenções de Putin é profunda.

crédito…Lynsey Addario para The New York Times

Há especulações generalizadas de que ele pode usar o próximo feriado para transformar o que ele chama de “operação militar especial” em uma guerra total, o que criaria uma justificativa para uma mobilização em massa de forças russas e abriria caminho para um escopo maior de o conflito. Autoridades do Kremlin negaram tais planos. Mas eles também negaram que houvesse planos de invadir a Ucrânia.

Autoridades ucranianas disseram que o recrutamento militar da Rússia pode provocar uma reação entre seus cidadãos, muitos dos quais, segundo pesquisas, ainda veem a guerra como um conflito amplamente remoto filtrado por Histórias complexas e às vezes conflitantes fornecidos pela mídia controlada pelo Estado.

READ  O "ponto sul" do oceano quente causou uma grande seca a milhares de quilômetros de distância no Chile

“A mobilização geral na Rússia é benéfica para nós”, disse Oleksiy Aristovich, assessor do chefe de gabinete de Zelensky, durante entrevista à televisão ucraniana esta semana. “Isso pode levar a uma revolução.”

Alguns analistas ocidentais especulam que Putin pode se referir aos territórios que Moscou já capturou no leste da Ucrânia para reforçar suas falsas alegações de que a Rússia está libertando a região dos nazistas.

Por sua vez, o Pentágono evitou levantar especulações sobre os planos do Dia D de Putin.

“O que eles planejam fazer ou dizer no Dia D, isso realmente depende deles”, disse John F Kirby, porta-voz do Pentágono. Ele disse na quinta-feira. “Eu não acho que temos uma sensação perfeita.”

Os temores de que a Rússia possa intensificar sua ofensiva surgiram quando o Conselho de Segurança das Nações Unidas adotou uma declaração na sexta-feira apoiando os esforços do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, para intermediar uma solução diplomática para a guerra.

A declaração, iniciada pelo México e pela Noruega, foi a primeira ação sobre a Ucrânia que o conselho aprovou por unanimidade desde o início da invasão. A Rússia apoiou a declaração, que não descreveu o conflito como uma “guerra”, termo proibido pelo Kremlin.

Zelensky insistiu na sexta-feira que as negociações de paz não poderiam ser retomadas até que as forças russas se retirassem para onde estavam antes da invasão. No entanto, não excluiu a possibilidade de um acordo negociado.

crédito…Daniel Berholak para The New York Times

“Nem todas as pontes foram destruídas”, disse ele, falando remotamente em um evento virtual organizado pela organização de pesquisa britânica Chatham House.

Alexei Zaitsev, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, disse na sexta-feira que as negociações entre a Rússia e a Ucrânia estão “em estado de estagnação”, informou a mídia estatal russa.

READ  Mergulhadores procuram 14 pessoas em um túnel inundado na China

Zaitsev culpou os países da Otan por prolongar a guerra enviando bilhões de dólares em armas para a Ucrânia, mesmo quando esses países instaram Putin a retirar suas forças.

“Isso leva a uma extensão das hostilidades, mais destruição da infraestrutura civil e baixas civis”, disse ele.

Zelensky disse que os promotores russos passaram anos alimentando o “ódio” que levou os soldados russos a “perseguir” civis, destruir cidades e cometer as atrocidades vistas no porto sul sitiado de Mariupol. Grande parte da cidade, que abrigava mais de 400.000 pessoas, foi colonizada e se tornou um poderoso símbolo da devastação que a Rússia causou na Ucrânia.

Zelensky disse que a determinação da Rússia de destruir os últimos combatentes ucranianos entrincheirados com civis desesperados em bunkers sob a siderúrgica Azovstal em Mariupol apenas ressalta a “brutalidade” que definiu a invasão.

Ele disse: “Isso é terrorismo e ódio”.

Na sexta-feira, cerca de 50 mulheres, crianças e adultos que ficaram presos sob a fábrica de Azovstal em Mariupol foram evacuados em um comboio humanitário, de acordo com um alto funcionário ucraniano e a mídia estatal russa. A vice-primeira-ministra Irina Vereshchuk disse que a evacuação foi “muito lenta” porque as forças russas violaram o cessar-fogo.

Quase 500 pessoas conseguiram deixar a fábrica de Azovstal, Mariupol e seus arredores nos últimos dias com a ajuda das Nações Unidas e da Cruz Vermelha, segundo Guterres.

À medida que a luta continua, crescem os temores de que a guerra possa exacerbar a crise global da fome.

crédito…Finbar O’Reilly para The New York Times

As Nações Unidas disseram na sexta-feira que há evidências crescentes de que as forças russas saquearam toneladas de grãos ucranianos e destruíram instalações de armazenamento de grãos, aumentando as interrupções nas exportações que já elevaram os preços globais, com consequências terríveis para os países pobres.

Ao mesmo tempo, a agência de combate à fome da organização, o Programa Alimentar Mundial, pediu a reabertura dos portos na região de Odessa, no sul da Ucrânia, para que os alimentos produzidos no país devastado pela guerra possam fluir livremente para o resto do país. mundo. A Ucrânia, um dos maiores produtores de grãos, tem quase 14 milhões de toneladas de estoques disponíveis para exportação, mas o bloqueio russo aos portos do país no Mar Negro impediu a distribuição.

“Neste momento, os celeiros na Ucrânia estão cheios”, disse David Beasley, diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos, enquanto “44 milhões de pessoas em todo o mundo estão caminhando para a fome”.

A reportagem foi contribuída por Dan Belewski, Nick Cumming Bruce, Rick Gladstone, Zulan Kanu Youngs e Farnaz Fassihi.

Menno Lange

"Geek da Internet. Entusiasta da comida. Pensador. Praticante de cerveja. Especialista em bacon. Viciado em música. Viajante."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back to top