“Vemos o Brasil como uma potência regional em inovação”

A NTT Data, um dos maiores grupos de serviços e consultoria de TI do mundo e subsidiária do NTT Group do Japão, está aumentando a aposta na América Latina na esteira da aceleração da transformação digital, incluindo tendências emergentes como o metaverso.

A empresa tem como meta atingir em quatro anos uma quota de mercado de 2% em todos os países onde opera, o que será suficiente para a colocar entre as cinco maiores empresas globais de serviços de TI, Miguel Teixeira, recém-nomeado CEO da na região das Américas, diz BNamericas. Atualmente, a empresa ocupa o sexto ou sétimo lugar, atrás de empresas como Accenture, Deloitte, PwC e IBM.

Mas haverá obstáculos para isso, entre os quais a escassez de um número suficiente de especialistas técnicos para o desenvolvimento de projetos e suporte ao cliente. A situação é semelhante na maioria dos mercados mundiais, mas especialmente aguda na América Latina.

Nesta entrevista, Teixeira fala sobre transformação digital, prioridades de investimento, problemas de mão de obra e planos de expansão do grupo na América Latina.

EUA: Você acabou de assumir o cargo de Presidente da América Latina. Quais são suas prioridades em termos de mercados e indústrias na região? Qual é a aposta nos dados NTT na região?

Teixeira: Bem, antes da pandemia, já havia um driver para a transformação digital. Em muitos eventos este tem sido o tema: como a tecnologia está mudando as relações de trabalho e a forma como as pessoas geralmente vivem. Com a pandemia, isso se acelerou ainda mais.

Um grupo de pessoas que não entendia esses processos de transformação tecnológica começou a entender, um grupo de empresas percebeu que os canais digitais não eram mais um canal, mas sim o Canal.

Digo tudo isso porque essa nova realidade afetou o negócio de consultoria em geral. Temos muito trabalho, muita demanda de projetos. Estamos em um ponto em que estamos ajudando os clientes a se diferenciarem, mas não precisamos mais convencê-los a usar uma tecnologia ou uma tecnologia específica.

Agora, as empresas com o melhor modelo de atração e retenção de talentos são as que terão mais sucesso. Não há pessoas suficientes, na América Latina, Europa ou Estados Unidos, que tenham treinamento ou habilidades suficientes para realizar todos os projetos diante de nós em diversos campos.

Por isso, um dos nossos principais pilares na NTT Data é ser a melhor empresa na atração e retenção de talentos. Este é o principal desafio da consultoria neste setor.

READ  Dezenas de milhares estão se manifestando no Brasil

Para os nossos clientes, o maior desafio é a mentalidade. Um cliente com uma mentalidade muito tradicional e muito hierárquica, onde toma uma decisão que precisa passar por diferentes níveis de aprovação, terá dificuldades em um mundo que precisa se mover rapidamente, onde as soluções precisam chegar rapidamente ao mercado.

EUA: Em geral, qual é o objetivo da NTT Data na América Latina?

Teixeira: Não sei se chegaremos lá, mas queremos ser uma empresa com uma representação muito grande na região, mas visamos criar valor primeiro.

Se eu puder escolher entre ser a empresa número um, mas em termos de qualidade de entrega e valor, prefiro ser a número cinco e ter qualidade, inovação e bons profissionais.

No entanto, temos um plano que iniciamos há quatro anos para tornar a NTT Data líder em tecnologia na grande maioria dos mercados. Mas sem atalhos.

EUA: Em que prazo?

TeixeiraLeva mais de 10 anos para alcançar a posição número um do mundo.

Nossa meta agora é atingir pelo menos 2% de participação de mercado em todos os países em quatro anos. Não é um crescimento forte, é moderado, porque o foco não é crescer e ganhar market share a qualquer custo com baixo coeficiente de inovação. O tamanho não é um fim em si mesmo, é o resultado de fazer bem as coisas.

Nossa meta global é dobrar nossa receita em quatro anos.

EUA: E qual é a participação de mercado atual na América Latina?

Teixeira: Na zona, devemos ficar em torno de 1,4-1,5% em média. Na Europa… devemos estar em 0,2-0,3%.

Temos países na América Latina onde já temos uma participação de mercado muito alta, como o Peru, onde temos mais de 10% do mercado. Em outros casos, é cerca de 1%.

No geral, queremos ser uma empresa entre as cinco primeiras. E as estatísticas mostram que 2% nos colocaria nessa faixa.

EUA: Em termos de mão de obra, como você lida com isso, já que a competição por talentos agora é internacional?

Teixeira: Em primeiro lugar, estamos trabalhando para preservar as pessoas que já temos. Portanto, se um concorrente fizer uma oferta aos nossos especialistas, ele preferiria ficar na NTT Data e trabalhar aqui. Isso também inclui ter um bom ambiente de trabalho e um equilíbrio entre trabalho remoto e vida pessoal.

Quando falamos de emprego, dividimo-lo em duas partes: a primeira é a cooperação com universidades e a academia, e a segunda é a reconversão de pessoas de outras áreas, que não têm necessariamente formação em tecnologia e engenharia, mas que ter interesse e atitude.

READ  HBO Max define 'Bridge to Brazil'; TVF vende documento sobre aborto

A carência de profissionais é enorme. Muitos profissionais na América Latina são bons. Mas a verdade é que o poder aquisitivo de muitos países aqui não corresponde ao poder aquisitivo dos Estados Unidos, Canadá e Alemanha. E no mundo do trabalho “sem fronteiras”, há muitos profissionais que acabam trabalhando em mercados e empresas por um salário mais competitivo. Nós temos esse problema.

Mas resumindo, o foco interno, trabalhando com universidades e academia e fazendo nosso próprio processo de transformação e formação.

EUA: Qual é o tamanho da força de trabalho do grupo na América Latina? Você está expandindo essa base?

Teixeira: Neste momento, olhando para todos os sete países em que operamos no continente – incluindo os EUA, onde a operação ainda é relativamente pequena – temos cerca de 16.000 pessoas. E sim, contratamos em todas as áreas.

O Brasil detém uma participação entre 25% e 35% do total. Acabamos de abrir duas regiões, Axes, como chamamos, porque apostamos em um modelo híbrido, em Florianópolis e Recife.

É claro que o Brasil tem um percentual alto. É um mercado de 210 milhões de pessoas, uma economia completamente diferente de outros países e, além disso, vemos o Brasil como uma força regional em inovação.

Apenas dois exemplos: startups e agora, recentemente, o metaverso. Estamos agora implementando projetos no formato metaverso no país.

Esperamos obter permissão dos clientes para se comunicar com ele em breve. Mas é claramente uma área em que o Brasil está começando a ser líder e é algo que queremos aproveitar mais tarde em outros países.

Hoje, o metaverso ainda está em sua infância. É realidade virtual aumentada. Mas em poucos anos será muito mais do que isso. Será um mundo alternativo imersivo, as marcas precisam estar lá e os clientes precisam estar lá. Na verdade, as marcas devem estar onde os clientes estão.

Em suma, o Brasil está dando passos importantes para ser líder na região. E é uma área em que apostamos aqui.

EUA: Mas além do hype, como o metaverso pode realmente apoiar a transformação digital das empresas?

Teixeira: O metaverso que está na cabeça das pessoas é onde você coloca um aparelho, um par de óculos, por exemplo, e você é transportado para uma simulação da realidade com seu próprio personagem virtual, e tem empresas, escolas, indústrias, etc. Mas este é um mundo que podemos ter daqui a 10-15 anos. Ainda não chegamos lá.

READ  A série de concertos gratuitos de Redmond, Music on the Green, retorna ao Sam Johnson Park neste verão

O que criamos com as empresas é colocar o negócio no metaverso passo a passo. loja, fábrica. Deixe-me dar um exemplo: olhamos para um edifício em construção e podemos imaginar como seria um determinado piso.

Ou podemos colocar óculos e luvas e percorrer uma representação detalhada desse piso. Ou, em vez de ir ao campo de futebol, somos levados ao estádio pelas câmeras penduradas ali, assistindo a ação com os jogadores, na perspectiva dos jogadores.

Atualmente, estamos criando casos de uso em entretenimento (jogos e esportes), no setor imobiliário, na fabricação de automóveis. Muitas empresas querem que suas lojas estejam no metaverso e realizam entrevistas de emprego no metaverso.

O que criamos são pequenos fragmentos, pequenas áreas de imersão, mas onde não temos tudo conectado. Em breve tudo isso será ainda mais atraente. Mesmo com a possibilidade de poder cheirar no mundo virtual.

Do ponto de vista empresarial, o metaverso reduz riscos para alguns profissionais, custos de viagens, menores custos de combustível, etc.

EUA: Quanto você pretende investir este ano na América Latina?

Teixeira: Geralmente, não dividimos os números por região. Mas o que posso dizer é que estamos investindo cada vez mais na América Latina com base em nosso projeto global e continental. Estamos falando de dezenas de milhões de dólares.

EUA: Na Indústria 4.0, você tem uma parceria com a Telefónica na Espanha para uma conexão 5G no porto de Málaga. Existem projetos semelhantes na América Latina?

Teixeira: Sim, já temos dois ou três exemplos de redes 5G na região. Trabalhamos com o Chile, em parceria com o governo, em projetos nessa área, por exemplo.

E começamos a trabalhar em provas de conceito para redes 5G privadas, mas elas ainda são muito específicas. Este é o estado da rede no campo de futebol.

É importante destacar que um dos slogans que estabelecemos para os próximos quatro anos é “NTT Data Americas 5.0”.

É um conceito mais relacionado com a sociedade 5.0, ou seja, o desenvolvimento da Indústria 4.0, onde o ser humano está no centro. A tecnologia só faz sentido se agregar valor à sociedade em geral, além da produtividade industrial.

Swanhilda Müller

"Jogador. Introvertido. Solucionador de problemas. Criador. Pensador. Evangelista vitalício de alimentos. Defensor do álcool."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back to top