Ofertas de gestão de resíduos sólidos do Brasil abrem oportunidades para investidores

A divisão de resíduos sólidos do Brasil pode ser vista em expansão rápida de sua receita nos próximos anos, uma mudança regulatória definida para reduzir as preocupações sociais e ambientais e as taxas de inadimplência sobre o descarte adequado de resíduos.

Nos últimos meses, uma série de municípios anunciaram planos para oferecer incentivos à gestão de resíduos sólidos, o que cria oportunidades para o setor privado.

Depois das cidades da Bahia, os estados de Esprito Santo, Mato Grosso, Minas Gerais, Bernambuco, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo anunciaram planos para essas concessões, seguidos pela capital do estado nordestino Pia, Teresina.

Teresina está realizando uma consulta pública sobre o modelo de sua oferta de gestão de resíduos sólidos, que está sendo elaborado pelo regime de parceria de investimentos PPI, IDP e o estatal Keiza Econômico Federal.

“A mudança planeja investir na linha de arroz 1,6 bilhão [US$302mn] (Capex Plus Opex) no município pela duração do contrato de 30 anos “, disse o PBI em um comunicado.

Esta oferta inclui o uso de tecnologias para geração de energia elétrica a partir do biogás.

As regulamentações de saneamento modificadas incentivam a participação do setor privado na gestão de resíduos sólidos. Um pilar do novo regulamento é o dever dos municípios de cobrar dos consumidores pela gestão de resíduos.

Essa taxa é cobrada atualmente por menos de um terço dos municípios e deve garantir o financiamento para o desenvolvimento do mercado. As empresas do setor privado têm evitado essa categoria, pois os municípios enfrentam problemas financeiros devido a consumidores não pagos.

Com a nova estrutura, todos os municípios devem apresentar, até 15 de julho, proposta de mecanismos de cobrança de tarifas que garantam a estabilidade econômico-financeira dos serviços.

READ  Desmatamento salta para a maior savana do mundo, alertam cientistas - Organização Mundial da Paz

De acordo com os últimos dados da Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Saneamento, APLP, a receita anual da divisão – a mais fragmentada com mais de 1.000 empresas – atingiu US $ 28,3 bilhões em 2019. A inadimplência da prefeitura, por sua vez, totalizou US $ 18 bilhões entre 2014 e 2020.

À medida que as novas regras entrarem em vigor, mais empresas com planos de APLP entrarão neste segmento e as receitas aumentarão para 60 bilhões de onças até 2024 e 100 bilhões de onças até 2030, com taxas de inadimplência mais baixas.

“Sem mudanças regulatórias, o crescimento da receita neste segmento não seria possível”, disse o presidente da APLP, João Giannese Neto Seminário Discuta o poder da divisão com várias partes interessadas.

O governo central também está trabalhando para fornecer financiamento adicional para o setor.

No mesmo seminário, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rosário Marinho, disse que o governo planeja emitir planos de gestão de resíduos sólidos chamados de empréstimos de infraestrutura, títulos isentos de impostos para investidores.

Projetos de gestão de resíduos também têm apelo social e ambiental em meio à demanda global por práticas ESG. O Brasil proibiu a abertura de novas terras, mas existem mais de 3 milhões de terras ilegais no país.

“Acreditamos que vamos sair da Idade Média com resíduos sólidos e saneamento básico. Na verdade, com essas medidas chegaremos ao século 21”, disse Maranho, secretário sanitário do Ministério do Desenvolvimento, no seminário.

Tadday Köhler

"O desconfortavelmente humilde fã de TV. Generalista de Twitter. Entusiasta de música extrema. Conhecedor de Internet. Amante de mídia social".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back to top