Portugal depende do turismo para apedrejar britânicos não vacinados

O governo português disse que os visitantes britânicos a Portugal devem passar por uma quarentena de 14 dias a partir de segunda-feira se não forem totalmente vacinados contra o COVID-19.

A nova regra, que vigorou até pelo menos 11 de julho, segue-se ao aumento do número de casos em Portugal para níveis registrados pela última vez em fevereiro, quando estava sob rígido bloqueio. Os casos positivos também aumentaram na Grã-Bretanha, mas o início da vacinação foi mais rápido.

Em um comunicado na noite de domingo, o governo disse que os britânicos que chegam por via aérea, terrestre ou marítima devem apresentar provas de que foram totalmente vacinados ou se isolaram por 14 dias em casa ou em um local indicado pelas autoridades de saúde.

Uma pessoa é considerada totalmente vacinada 14 dias após a segunda dose da vacina ou a vacina de injeção única da Johnson & Johnson. Os passageiros da Grã-Bretanha que se recuperaram do COVID-19 e receberam uma única dose também serão permitidos.

A Grã-Bretanha é uma das maiores fontes de turismo estrangeiro em Portugal, mas retirou Portugal da lista de viagens sem quarentena no início deste mês.

Isso significa que os turistas britânicos devem isolar-se por 10 dias ao voltar para casa e fazer os caros testes COVID-19.

A decisão de Lisboa veio depois que a Alemanha declarou Portugal uma “zona de vírus em mudança” na semana passada e a chanceler alemã, Angela Merkel, pediu aos líderes da UE que tomem uma posição mais dura em viagens de países fora do bloco, como a Grã-Bretanha. Consulte Mais informação

A Grã-Bretanha não está na lista “segura” da UE de países não pertencentes à UE, por meio dos quais permitirá viagens não essenciais, embora visitantes com vacinas completas possam vir. Na reunião de segunda-feira, a Grã-Bretanha não apareceu na lista de potenciais adições. Brunei pode ser adicionado ainda esta semana.

READ  Polícia recupera réptil voador pré-histórico em condições incríveis

As autoridades de saúde portuguesas atribuíram o aumento dos casos à variante delta, mais contagiosa, identificada pela primeira vez na Índia.

É responsável por mais de 70% dos casos na região de Lisboa e estende-se a outras zonas do país, que tem a segunda maior circulação média per capita de sete dias da UE, de acordo com a publicação online Our World in Data. Consulte Mais informação

Portugal abriu as suas fronteiras aos turistas britânicos em meados de Maio e permitiu que milhares de adeptos do futebol inglês participassem na final da Liga dos Campeões. Consulte Mais informação

Relatórios de Katharina Dimoni; Edição de Kirsten Donovan

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Menno Lange

"Geek da Internet. Entusiasta da comida. Pensador. Praticante de cerveja. Especialista em bacon. Viciado em música. Viajante."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top