Connect with us

Top News

Brazil Iron: Caso iniciado na Justiça do Reino Unido sobre projeto de mineração na Bahia

Published

on

Brazil Iron: Caso iniciado na Justiça do Reino Unido sobre projeto de mineração na Bahia
  • Por Ioan Wells
  • Correspondente Sul-Americano, Bahia

fonte da imagem, BBC/Paolo Cobá

legenda da imagem, Caterina Oliveira de Silva acusou a mineradora Brazil Iron, sediada no Reino Unido, de enterrar um lago na sua comunidade.

Numa pequena comunidade nas remotas e exuberantes montanhas da Bahia, Brasil, Caterina Oliveira de Silva observa o que costumava ser um lago.

“Depois que começou a mineração lá, o lixo caiu. Caiu na nascente. Enterrou todo esse lago. Três metros de lodo e lama mineral.”

Caterina diz que não consegue produzir as suas próprias culturas, incluindo pés de café e bananeiras, porque a poeira da mina os cobriu.

Ela e o marido contraíram um empréstimo em 2015 para um negócio onde as pessoas podem pagar para pescar no lago.

“Nosso projeto foi por água abaixo”, diz ele.

Catarina e sua família vivem em uma comunidade tradicional quilombola, descendentes de escravos afro-brasileiros cujos direitos à terra e ao estilo de vida são protegidos pela legislação brasileira.

Agora, a sua luta contra a empresa mineira de propriedade do Reino Unido deverá chegar ao Supremo Tribunal de Londres.

A Brazil Iron, uma empresa de mineração que se autodenomina “sustentável”, foi acusada de prejudicar o meio ambiente, a saúde, as colheitas e o abastecimento de água das comunidades locais próximas à sua mina brasileira.

fonte da imagem, BBC/Paolo Cobá

legenda da imagem, A Brazil Iron afirma que seu projeto poderia economizar milhões de toneladas de emissões de carbono anualmente e criar milhares de empregos locais se a mina fosse totalmente licenciada.

Mas moradores locais como Katerina dizem que a mina já causou grandes danos durante a sua exploração. Outros residentes alegam que as explosões da mina racharam as suas casas e que a poluição por poeiras afectou a sua saúde.

Existem agora 103 requerentes no processo judicial do Reino Unido, com reclamações de 2011-2022.

Eles estão hoje apresentando seu pedido formal a um tribunal do Reino Unido, buscando compensação pelo que seus advogados descrevem como “danos físicos e mentais e perdas ambientais”.

Edimon Almeida Silva diz que sua filha mais velha desenvolveu um problema respiratório que não existia antes do início das operações da mina, mas que melhorou depois que ela foi interrompida.

“Ela ficou acordada a noite toda coçando a garganta. Tive que levá-la ao médico que lhe deu um inalador.”

fonte da imagem, BBC/Paolo Cobá

legenda da imagem, Edimon Almeida Silva (à esquerda) conta que sua filha mais velha desenvolveu problemas respiratórios após o início da operação da mina.

A empresa afirma não ter evidências de quem faz tais afirmações e oferece exames médicos independentes aos membros da comunidade.

Alguns moradores perguntam por que deveria ser extraído aqui. A resposta está na geografia.

Nas profundezas da exuberante região de Zapata Diamantina, na Bahia, encontram-se depósitos de minério de ferro com quilômetros de extensão, uma matéria-prima essencial para a produção de aço.

Isso torna a região um ímã para empresas de mineração.

O aço é utilizado em todos os aspectos das nossas vidas, desde edifícios, comboios e automóveis até frigoríficos, móveis e embalagens de alimentos.

Desde que a Brazil Iron começou a operar na região em 2011 com licença de exploração, disse ter descoberto um tipo de minério de ferro que poderia ser transformado em aço em fornos elétricos a arco – resultando em menos emissões de carbono – e poderia ser extraído no Brasil usando o sol. e energia eólica na Bahia.

A empresa suspendeu suas operações em 2022 após desentendimento com o governo do estado da Bahia sobre licença de mineração e aguarda nova licença.

A Brazil Iron poderia criar 27 mil empregos durante sua fase de construção, 10 mil empregos permanentes diretos e indiretos e economizar 2,35 milhões de toneladas de emissões de carbono a cada ano na cadeia de fornecimento da indústria siderúrgica.

Esta tensão entre empregos locais e reclamações de danos locais manifesta-se entre a comunidade, com alguns que apoiam muito a existência da mina, os seus empregos e as receitas fiscais que angaria para as cidades vizinhas.

Alguns dos que protestaram contra as operações da mina, ou aderiram ao caso inglês, alegaram que foram intimidados pelos trabalhadores das minas e outros residentes que os impediram de agir, dizendo que isso lhes causaria danos económicos.

Isto levou a uma liminar contra a empresa, ordenando aos funcionários que parassem de contactar os reclamantes, exceto através de advogados.

A Suprema Corte do Reino Unido concluiu que a Brazil Iron violou a proibição quando escreveu a alguns dos reclamantes após a emissão da ordem.

Erivelton Sosa pertence à comunidade onde Silva conseguiu emprego.

“Eu não tinha fonte de renda, a maioria das pessoas sempre viajava para São Paulo”, disse.

“Um dos principais benefícios que a empresa trouxe foi a oportunidade de trabalhar com contrato adequado, férias remuneradas e a oportunidade de morar perto da família. Isso é algo que o dinheiro não compra”.

fonte da imagem, BBC/Paolo Cobá

legenda da imagem, As ricas reservas de minério de ferro na região de Zapata Diamantina estão atraindo mineradoras

A Brazil Iron negou que suas pesquisas tenham afetado o meio ambiente ou a sociedade e disse que suas “portas estão sempre abertas” para minimizar eventuais problemas.

Disse que as alegações eram “falsas”, mas ainda assim “poderiam ter um impacto devastador na economia da região”.

Argumenta também que as ações movidas contra a empresa em um tribunal do Reino Unido “não são relevantes” e planeja contestar isso e solicitar que ela seja ouvida no Brasil.

O advogado que compareceu aos peticionários discordou.

Em diversos relatórios e comunicados emitidos à empresa entre 2020-2022, a Agência Estadual de Meio Ambiente e Águas da Bahia alega que a empresa violou os termos de suas licenças ambientais.

Argumentam ainda que o caso deveria ser julgado na Inglaterra, onde a empresa está domiciliada.

A Brazil Iron, no Reino Unido, existe com o único propósito de financiar sua subsidiária brasileira – que afirma ser a maior investidora estrangeira em exploração mineral no Brasil.

A Brazil Iron é financiada por milhões de dólares em empréstimos e capital de acionistas de todo o mundo.

Afirma que é “globalmente importante”, pois se posiciona como o principal produtor independente mundial de “ferro quente” verde, utilizando “fontes de energia 100% renováveis”.

Uma questão fundamental em todo o mundo é se tais recursos contribuem para um futuro mais verde e afectam o ambiente e o estilo de vida locais.

Rogério Mucugê, geógrafo local da Universidade Católica da Bahia, não acredita que os empregos e os benefícios da redução de carbono valham a pena e argumenta que as comunidades com estilos de vida “verdes” não precisam mudar para fornecer soluções para as emissões de carbono. E em áreas urbanas.

“Quando você vem para uma comunidade, o melhor território é perguntar à comunidade”, diz ele.

“Se dissermos que este modelo é sustentável, este modelo produzirá energia limpa, é limpo matar um rio? Deveríamos sacrificar todos que vivem no campo pela cidade?”

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top News

Jogo do grupo 2 feminino da Liga das Nações de Voleibol da FIVB: Brasil vs. EUA-Xinhua

Published

on

Jogo do grupo 2 feminino da Liga das Nações de Voleibol da FIVB: Brasil vs.  EUA-Xinhua

Gabriela do Brasil (primeira) cava a bola durante a partida do Grupo 2 da Liga das Nações de Voleibol Feminino da Federação Internacional de Voleibol (FIVB) entre Brasil e Estados Unidos em 17 de maio de 2024 no Rio de Janeiro, Brasil. (Xinhua/Wang Tiangang)

Torcedores brasileiros comemoram durante a partida do Grupo 2 da Liga das Nações de Voleibol da FIVB entre Brasil e Estados Unidos em 17 de maio de 2024, no Rio de Janeiro, Brasil. (Xinhua/Wang Tiangang)

Durante a partida do Grupo 2 da Liga das Nações de Voleibol da FIVB entre Brasil e Estados Unidos, EUA M Skinner (3º R), Brion Butler (2º R) e Jordan Larson (1º R) bloquearam a rede. Rio de Janeiro, Brasil, 17 de maio de 2024. (Xinhua/Wang Tiangang)

Kisi (2ª E) e Julia Goodes (1ª D) do Brasil são bloqueadas durante a partida do Grupo 2 da Liga das Nações Femininas de Voleibol da FIVB entre Brasil e Estados Unidos em 17 de maio de 2024 no Rio de Janeiro, Brasil. (Xinhua/Wang Tiangang)

Gabriela (C) do Brasil acerta durante a partida do Grupo 2 da Liga das Nações de Voleibol da FIVB entre Brasil e EUA em 17 de maio de 2024 no Rio de Janeiro, Brasil. (Xinhua/Wang Tiangang)

Rosamaria (R) da Brasil durante a partida do Grupo 2 da Liga das Nações de Voleibol da FIVB entre Brasil e EUA em 17 de maio de 2024 no Rio de Janeiro, Brasil. (Xinhua/Wang Tiangang)

O técnico dos Estados Unidos, Kirch Crawley, dá instruções às jogadoras durante a partida do Grupo 2 da Liga Feminina de Voleibol da FIVB entre Brasil e Estados Unidos em 17 de maio de 2024, no Rio de Janeiro, Brasil. (Xinhua/Wang Tiangang)

READ  Multinacional brasileira Sensetia está expandindo sua presença global no mercado norte-americano

Ali Fronti (R), dos Estados Unidos, dispara durante a partida do Grupo 2 da Liga das Nações de Voleibol Feminino da Federação Internacional de Voleibol (FIVB) entre Brasil e Estados Unidos em 17 de maio de 2024 no Rio de Janeiro, Brasil. (Xinhua/Wang Tiangang)

Jogadoras brasileiras comemoram durante a partida do Grupo 2 da Liga das Nações de Voleibol da FIVB entre Brasil e Estados Unidos, em 17 de maio de 2024, no Rio de Janeiro, Brasil. (Xinhua/Wang Tiangang)

Ana Cristina (R) do Brasil dispara durante a partida do Grupo 2 da Liga das Nações de Voleibol Feminino da Federação Internacional de Voleibol (FIVB) entre Brasil e Estados Unidos em 17 de maio de 2024 no Rio de Janeiro, Brasil. (Xinhua/Wang Tiangang)

Roberta (2ª E) e Julia Goodes (1ª D) bloqueiam durante a partida do Grupo 2 da Liga das Nações de Voleibol Feminino da Federação Internacional de Voleibol (FIVB) entre Brasil e Estados Unidos em 17 de maio de 2024 no Rio de Janeiro, Brasil. (Xinhua/Wang Tiangang)

Jogadoras brasileiras comemoram durante a partida do Grupo 2 da Liga das Nações de Voleibol da FIVB entre Brasil e Estados Unidos, em 17 de maio de 2024, no Rio de Janeiro, Brasil. (Xinhua/Wang Tiangang)

Gabriela (L) do Brasil comemora durante a partida do Grupo 2 da Liga das Nações de Voleibol Feminino da Federação Internacional de Voleibol (FIVB) entre Brasil e Estados Unidos em 17 de maio de 2024 no Rio de Janeiro, Brasil. (Xinhua/Wang Tiangang)

Jogadoras brasileiras posam para fotos após vencerem a partida do Grupo 2 da Liga das Nações de Voleibol Feminino da Federação Internacional de Voleibol (FIVB) entre Brasil e Estados Unidos em 17 de maio de 2024, no Rio de Janeiro, Brasil. (Xinhua/Wang Tiangang)

READ  O presidente brasileiro criou dois novos territórios indígenas, elevando seu mandato para 10
Continue Reading

Top News

O Brasil venceu uma votação aberta no Congresso da FIFA para sediar a Copa do Mundo Feminina da FIFA de 2027

Published

on

O Brasil venceu uma votação aberta no Congresso da FIFA para sediar a Copa do Mundo Feminina da FIFA de 2027

O Brasil sediará a próxima Copa do Mundo Feminina da FIFA depois de vencer uma votação aberta no 74º Congresso da FIFA.

O Brasil foi escolhido para sediar o décimo torneio depois de receber 119 votos contra 78 votos em uma candidatura conjunta de Bélgica, Holanda e Alemanha.

“Esta é uma vitória para o futebol feminino na América do Sul e uma vitória para o futebol feminino em todos os lugares onde a FIFA trabalha para melhorar e fortalecer a cada dia”, disse Ednaldo Rodriguez, presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

“Podem ter certeza de que nos esforçaremos para sediar a maior e melhor Copa do Mundo Feminina da FIFA, não querendo ser desperdiçados. Espero que todos vocês venham ao Brasil e desfrutem da hospitalidade do nosso país.

Esta é a primeira vez que o Congresso da FIFA vota nas anfitriãs da Copa do Mundo Feminina da FIFA.

Delegados do Congresso da FIFA escolhem o Brasil para sediar a próxima Copa do Mundo Feminina. Foto: FIFA.

O torneio proporcionará uma oportunidade significativa para a FIFA continuar a aproveitar o impulso criado pelas edições anteriores, incluindo a Copa do Mundo Feminina da FIFA, que bateu o recorde do ano passado, na Austrália e na Nova Zelândia.

O congresso, que contou com a presença de todas as 211 federações-membro da FIFA, abriu com um discurso em vídeo da primeira-ministra tailandesa, Shretha Thavisin, e um discurso do presidente da Associação de Futebol da Tailândia (FAT), Nuwalphan Lamsam, a primeira mulher presidente da Ásia. Associação Membro quando foi eleito no início deste ano.

Crédito da foto principal: FIFA.

Mais histórias de futebol

Continue Reading

Top News

O analfabetismo está caindo no Brasil, mas ainda segue linhas étnicas

Published

on

O analfabetismo está caindo no Brasil, mas ainda segue linhas étnicas

Dados do Censo 2022 Publicados Hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra uma queda significativa na taxa de analfabetismo do país: de 9,6% dos brasileiros com mais de 15 anos em 2010 para 7% em 2022. Por alfabetização, a pesquisa considera pessoas que sabem ler. E escreva uma nota simples.

Embora a taxa de analfabetismo seja mais elevada entre os idosos (20,3 por cento das pessoas com mais de 65 anos), ocorreram melhorias nas condições gerais em todas as faixas etárias. “O alto índice de analfabetismo entre os idosos é reflexo da dívida educacional do Brasil, que não dá acesso à educação na idade certa”, explica a analista da pesquisa Bedina Fresneda. Em 1940, menos da metade da população brasileira (44%) era alfabetizada.

Por raça, os brancos continuam a ter uma taxa de analfabetismo duas vezes maior que a dos negros e três vezes maior que a dos indígenas brasileiros. Segundo Fresneda, as taxas de analfabetismo são mais elevadas entre os brancos mais velhos – uma indicação de que este segmento da população teve maior acesso à escola numa idade adequada.

Os adultos brancos e os adultos de ascendência do Sul e do Leste Asiático têm as taxas de alfabetização mais baixas, de acordo com dados divulgados hoje.

A boa notícia é que esta desigualdade diminuiu no intervalo de 12 anos entre os dois últimos censos. A diferença entre brancos e negros diminuiu de 8,5 para 5,8 pontos percentuais, e entre brancos e aborígenes de 17,4 para 11,7 pontos percentuais.

A desigualdade regional também fica evidente nos dados do IBGE. Por exemplo, a taxa no Nordeste (14,2%) continua a ser o dobro da média nacional. Apenas os municípios com mais de 100 mil habitantes apresentavam taxas de analfabetismo inferiores à média nacional. As áreas entre 10.000 e 20.000 residentes tiveram a taxa mais elevada (13,6 por cento). No Brasil, a alfabetização é responsabilidade direta dos municípios, e isso acontece porque o alcance desse objetivo está relacionado aos recursos disponíveis para as cidades investirem em educação.

READ  O brasileiro Cairo Santos está animado para a Copa do Mundo de 2022

Essa relação entre renda e acesso à educação fica evidente quando se olham as cidades com menores taxas de analfabetismo em grupos de diferentes tamanhos: todas elas estão na Região Sul ou no estado de São Paulo, respectivamente a segunda região mais industrializada. País e Estado Rico.

Novos dados do censo de 2022 mostram que apenas entre as pessoas com mais de 65 anos as taxas de alfabetização dos homens são mais elevadas do que as das mulheres.

Continue Reading

Trending

Copyright © 2023