Juiz brasileiro determina que ex-ministro da Saúde Kovit pode permanecer calado sobre o julgamento

BRASÍLIA, 14 de maio (Reuters) – Um juiz do Supremo Tribunal Federal decidiu na sexta-feira que o ex-ministro da Saúde Eduardo Pascuello não seria obrigado a responder a perguntas que poderiam acusá-lo diante de uma comissão do Senado que investigava o manejo do governo com a epidemia de Covit-19.

Com mais de 430.000 mortos, o Brasil experimentou a segunda pior erupção COVID-19 do mundo, depois dos Estados Unidos.

Os críticos atribuem o número de mortos à resposta descuidada do governo do presidente Jair Bolsanaro em subestimar a gravidade da doença e se opor às fechaduras. Bolzano lamenta essas mortes, mas deve voltar aos negócios normais no Brasil.

Pasuello, que deixou o cargo de ministro da Saúde em março, está sendo investigado por supostamente atrasar a compra de vacinas pelo país.

A Reuters relatou na quarta-feira que a Pazullo Pfizer Inc. não entregou a vacina Covit-19 do ano passado porque dependia de monitores AstraZeneca e Sinovac produzidos localmente no Brasil.

O Brasil concordou em comprar a vacina da Pfizer em março, quando a empresa inicialmente abordou o governo brasileiro e forneceu a vacina por mais de seis meses. Com a falta de vacinações regulares, o rol de vacinas do país é lento.

Pasuvello não respondeu a um pedido de comentário.

O ex-ministro da Saúde e general três estrelas do Exército devem comparecer a um painel especial do Senado na quarta-feira.

O juiz da Suprema Corte Ricardo Lewandowski emitiu uma decisão na sexta-feira.

Pasuello pode citar esta decisão como uma forma de evitar responder a quaisquer perguntas, embora não o exclua necessariamente de falar sobre coisas que não o afetam.

O Gabinete do Procurador-Geral, que representa a administração Bolsanaro, alegou que não precisava falar na audiência.

Tadday Köhler

"O desconfortavelmente humilde fã de TV. Generalista de Twitter. Entusiasta de música extrema. Conhecedor de Internet. Amante de mídia social".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top