maio 6, 2021

90Goals.com.br

Encontre as últimas notícias do mundo em todos os cantos do globo

O custo humano de marginalizar a Índia, o Brasil e a ciência

Um centro de manutenção do governo em Nova Delhi. A Índia registrou 400.000 casos e mais de 3.500 mortes desde COVID-19.Crédito: Imtiaz Khan / Agência da Anatólia / Getty

Na semana passada, o número total de mortos no Brasil devido ao COVID-19 chegou a 400.000. Na Índia, a epidemia mata cerca de 3.500 vidas todos os dias e desencadeia uma resposta global com ofertas de oxigênio, ventiladores, leitos de terapia intensiva e muito mais. Embora esses dois países estejam separados por milhares de quilômetros, as crises em ambos são o resultado de erros políticos: seus líderes falharam ou demoram a agir segundo os conselhos de pesquisadores. Isso contribuiu para uma perda imprevisível de vidas.

O maior fracasso do Brasil é que seu líder, Jair Bolzano, deturpou o COVID-19 como uma “gripe menor” e se recusou a seguir os conselhos científicos na formulação de políticas como usar máscara e restringir o contato entre as pessoas.

Os líderes da Índia não agiram de forma decisiva conforme necessário. Por exemplo, eles permitiram – e, em alguns casos, encorajaram grandes reuniões. Essa situação não é nova. Como vimos durante o governo do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, ignorar a evidência da necessidade de manter distância física para combater o COVID-19 tem consequências catastróficas. Os Estados Unidos registraram mais de 570.000 mortes pela doença – ainda o maior número de mortes COVID-19 do mundo.

Como Natural De acordo com um artigo da Worldview, os casos diários de COVID-19 aumentaram lentamente para quase 96.000 em setembro – ante cerca de 12.000 no início de março. Durante esse tempo, as empresas reabriram. Grandes manifestações continuaram, incluindo protestos contra as polêmicas novas leis agrícolas que trouxeram milhares de agricultores às fronteiras de Nova Delhi. Comícios eleitorais e encontros religiosos continuaram em março e abril.

READ  Ministro da Economia do Brasil diz que não vai renunciar durante epidemias: Globo

Problemas de dados

E a Índia tem outros problemas. Por um lado, os dados para pesquisa do COVID-19 não são fáceis de acessar para os cientistas. Isso impede que o governo forneça previsões precisas e conselhos baseados em evidências. Mesmo na ausência de tais informações, os pesquisadores alertaram o governo em setembro passado para ser cauteloso em flexibilizar as restrições do COVID-19 (The Lancet 396, 867; 2020) No final de abril, eles avisaram que a segunda onda poderia ver 100.000 casos COVID-19 por dia até o final do mês.

Em 29 de abril, mais de 700 cientistas escreveram uma carta ao primeiro-ministro Narendra Modi pedindo melhor acesso a dados como os resultados do teste Covit-19 e os resultados clínicos de pacientes em hospitais (ver go.nature.com/3vc1svt), Bem como um programa de monitoramento de genes em grande escala para identificar novas variantes (ver go.nature.com/3vd7fak) No dia seguinte, Krishnasamy Vijayaragavan, o principal conselheiro científico do governo, Admitiu essas preocupações Pesquisadores de fora do governo esclareceram maneiras de acessar esses dados. A mudança foi bem recebida pelos signatários da carta, mas eles disseram que não Natural Alguns aspectos do acesso aos dados não são claros.

A carta de protesto não é exigida em primeiro lugar. Ao se identificar, os signatários correram um risco: no passado, o governo Modi não respondia adequadamente aos pesquisadores organizados para questionar suas políticas. Há dois anos, uma carta de mais de 100 economistas e estatísticos pedindo o fim da interferência política nas figuras oficiais não foi bem recebida pelos funcionários. A carta foi escrita após a renúncia de altos funcionários da Comissão Nacional de Estatísticas da Índia Interrupção na divulgação de dados governamentais.

READ  O desastre do vírus corona no Brasil atingiu um novo marco esta semana, e especialistas temem o que o espera

Isso nunca é bom quando as comunidades de pesquisa têm um relacionamento difícil com seus governos nacionais. Mas pode ser perigoso no meio de uma epidemia – os resultados precisam ser rápidos e baseados em evidências. Ao marginalizar seus cientistas, os governos do Brasil e da Índia perderam uma importante oportunidade de reduzir o número de vítimas.

Durante uma epidemia, todos nós precisamos que nossos governos tenham sucesso. No entanto, é difícil tomar boas decisões rapidamente e com informações incompletas – por isso os dados de saúde devem ser precisos e acessíveis a pesquisadores e médicos. Negar ou encobrir esses riscos de acesso prolongará a epidemia.