Connect with us

Top News

Ondas de calor e desigualdades socioeconômicas no Brasil

Published

on

Ondas de calor e desigualdades socioeconômicas no Brasil

Um novo estudo sugere que as ondas de calor agravam as disparidades socioeconômicas no Brasil, com mulheres, idosos, negros, pardos ou aqueles com menor escolaridade enfrentando um risco maior de morrer durante as ondas de calor. Jacinto Montero dos Santos, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil, e colegas apresentam as descobertas na revista de acesso aberto PLOS ONE em 24 de janeiro de 2024.

À medida que as mudanças climáticas avançam, as ondas de calor estão se tornando mais quentes, mais longas e mais frequentes em muitas áreas ao redor do mundo, incluindo o Brasil. As ondas de calor podem aumentar o risco de morte por doenças crónicas, como doenças cardíacas ou pneumonia. Pesquisas anteriores relacionaram as ondas de calor no Brasil a um risco aumentado de morte. No entanto, poucos estudos investigaram o papel dos fatores socioeconômicos e demográficos nas mortes relacionadas ao calor no Brasil.

Para ajudar a esclarecer, Monteiro dos Santos e colegas analisaram as taxas de mortalidade durante ondas de calor entre 2000 e 2018 em 14 grandes áreas urbanas do Brasil, representando um terço da população nacional.

Em linha com pesquisas anteriores, eles descobriram que o Brasil experimentou de três a 11 ondas de calor por ano na década de 2010, passando de zero na década de 1970 para três por ano. Entre 2000 e 2018, 48.075 mortes foram atribuídas a ondas de calor, sendo as causas de morte mais frequentes as doenças circulatórias, as doenças respiratórias e o cancro.

As taxas de mortalidade relacionadas às ondas de calor diferem entre as regiões geográficas do Brasil, o que está relacionado às conhecidas disparidades norte-sul relacionadas aos indicadores socioeconômicos e de saúde, incluindo a expectativa de vida. As taxas de mortalidade relacionadas às ondas de calor foram maiores entre mulheres, idosos, negros, pardos ou com menor escolaridade.

READ  O que esperar do segundo leilão de propriedade do Brasil

Os investigadores também descobriram que uma técnica chamada análise de vigilância baseada em eventos, que procura sinais emergentes em rumores nas redes sociais ou outras fontes, pode não ter conseguido fornecer um alerta precoce sobre elevadas taxas de mortes relacionadas com ondas de calor. Desastres negligenciados no Brasil.

As descobertas podem ajudar a informar os esforços para reduzir as mortes durante futuras ondas de calor. Mais pesquisas poderiam abordar algumas das limitações deste estudo, abrangendo um período de tempo mais longo, incorporando indicadores socioeconómicos e utilizando dados de mais de uma estação meteorológica para cada área urbana.

Os autores acrescentam: As ondas de calor foram responsáveis ​​por mais de 48 mil mortes em áreas urbanas do Brasil. As mulheres, as pessoas negras e pardas, os idosos e aqueles com menos escolaridade são particularmente vulneráveis, reforçando a forma como as alterações climáticas induzidas pelo homem agravam as disparidades socioeconómicas no país.

Nota do diário:

  1. Monteiro dos Santos D, Libonati R, Garcia BN, Geirinhas JL, Salvi BB, Lima e Silva E, et al. (2024) Desigualdades demográficas e sociais do século XXI na mortalidade relacionada ao calor em áreas urbanas brasileiras. PLoS UM 19(1): e0295766. DOI: 10.1371/journal.pone.0295766

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top News

Brasil enviará 18 nadadores para os Jogos do BRICS do próximo mês na Rússia

Published

on

Brasil enviará 18 nadadores para os Jogos do BRICS do próximo mês na Rússia

O Brasil enviará 18 nadadores para os Jogos do BRICS do próximo mês em Kazan, na Rússia, de 11 a 24 de junho, incluindo cinco ex-atletas olímpicos.

Escalação brasileira para os Jogos BRICS 2024

Homens

Mulheres

Treinadores

A equipe inclui três nadadores que competiram nas Olimpíadas Tóquio 2021 e dois que foram às Olimpíadas Rio 2016, mas nenhum dos 18 que representarão o Brasil em Paris, em julho. Trazendo experiência para a mesa de Tóquio tem 25 anos Mathias Konche26 anos de idade Giovanna Diamantee 27 anos Natália Almeida.

Batedor sênior João Luis Gomez Jr. Aos 38 anos, ele viajará para Kazan para os Jogos do BRICS. Gomez foi finalista júnior dos 100 peitos nas Olimpíadas Rio 2016 e tem atuado no cenário automobilístico internacional desde então. Companheiro olímpico Rio 2016 Brandão Almeida27 também foi selecionado para a seleção brasileira com base nos rankings nacionais de 2023 e 2024.

Outro talento veterano, 29 anos Leonardo SantosSCM é ex-recordista mundial no revezamento 4×200 livre por sua atuação no Campeonato Mundial de Pista Curta de 2018.

Esta lista também inclui talentos com menos de 20 anos Stephen Stevens18 anos de idade Beatriz Becerrae 18 anos de idade Taiana Amaral. Steverink competiu nos dois últimos Campeonatos Mundiais, Becerra conquistou medalhas de prata nos 50 moscas e 100 moscas no Campeonato Mundial Júnior de 2022, e Amaral nadou no Mundial Júnior do ano passado.

Juliana Carvalho O veterano em ascensão da Universidade de Miami competiu na final A do 100 fly no Campeonato ACC de 2024 em fevereiro e na final B no Campeonato da NCAA de 2024 em março.

READ  JBS do Brasil agita esforços de compliance

O BRICS é uma organização intergovernamental fundada como um grupo das principais economias emergentes: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Recentemente incluiu os Emirados Árabes Unidos, o Irão, o Egipto e a Etiópia.

Os Jogos BRICS estão a crescer com 29 jogos este ano, com mais de 5.000 atletas de mais de 50 países, incluindo Cazaquistão, Turquia, México, Uruguai, Venezuela, Bahrein e Congo. No ano passado, apenas seis jogos e cinco países participaram. Os medalhistas de ouro receberão US$ 3.000 cada, a prata US$ 2.000 e o bronze US$ 1.200.

A Rússia, claro, só pode enviar nadadores para os Jogos Olímpicos de Paris, em Julho, como atletas neutros, sem símbolos nacionais. No mês passado, o chefe da Federação Russa de Natação Vladímir Solnikov Ele disse que depois das Olimpíadas, não há nadadores russos que reivindiquem status neutro Evan Grave Seu pedido aprovado teria sido cancelado. No entanto, o tricampeão olímpico Yulia Efimova Apesar de deter o recorde mundial, ele abriu as portas para competir em Paris Evgenia Chikunova Um daqueles que se retirou publicamente.

Continue Reading

Top News

Incêndios na Amazônia brasileira começarão em 2024, combate a incêndios cortes no orçamento

Published

on

Incêndios na Amazônia brasileira começarão em 2024, combate a incêndios cortes no orçamento

Por Jake Spring

SÃO PAULO (Reuters) – A floresta amazônica do Brasil sofreu seus maiores incêndios nos primeiros quatro meses do ano, com o Sindicato dos Trabalhadores Ambientais atribuindo na segunda-feira, em parte, a redução dos gastos do governo com combate a incêndios.

O Ministério do Meio Ambiente e a agência de fiscalização ambiental IPAMA não responderam imediatamente a um pedido de comentários.

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, construiu sua reputação internacional protegendo a floresta amazônica e restaurando o Brasil como líder em política climática. A Amazónia, a maior floresta tropical do mundo, é vital para prevenir o aquecimento global catastrófico devido à enorme quantidade de gases com efeito de estufa que absorve.

Uma seca sem precedentes na floresta amazónica, impulsionada pelo fenómeno climático El Niño e pelo aquecimento global, contribuiu para as condições de seca que alimentaram os incêndios este ano.

Cerca de 12.000 quilômetros quadrados (4.633 milhas quadradas) da floresta amazônica brasileira foram queimados entre janeiro e abril, o maior número em mais de duas décadas de dados, de acordo com a agência brasileira de pesquisa espacial Inbe. É uma área maior que o Catar ou quase o tamanho do estado americano de Connecticut.

Os incêndios na Amazônia geralmente não ocorrem naturalmente, mas são frequentemente desencadeados por pessoas que buscam limpar terras para a agricultura.

Os cortes nos orçamentos de combate a incêndios também são parcialmente culpados, disse o sindicato dos trabalhadores ambientais Ascema em comunicado. Eles reclamaram que o orçamento do órgão ambiental Ibama para combate a incêndios neste ano é 24% menor que o de 2023.

Os agentes do IPAMA interromperam o trabalho de campo desde janeiro, em meio a tensas negociações com o governo central por melhores salários e condições de trabalho.

READ  Investigação de Inteligência no Brasil | Noticias do mundo

Asema rejeitou a última oferta do governo e exigiu um grande aumento salarial depois de mais de uma década de escassos aumentos e de uma redução da força de trabalho.

Embora a área ardida seja um recorde para os primeiros quatro meses do ano, é insignificante em comparação com os incêndios que atingem essa quantidade num único mês durante o pico da estação seca, de Agosto a Novembro.

“O governo deve compreender que sem o envolvimento total dos trabalhadores ambientais, a situação esperada para este ano será um desastre sem precedentes”, disse o presidente da Ascema, Kleberson Javasky.

“Esforços de prevenção, como aumentar a conscientização sobre ignição, construir aceiros em áreas estratégicas e realizar queimadas prescritas dependem do emprego de pessoas com condições sustentáveis”, disse Manola Machado, pesquisadora de incêndios do Woodwell Climate Research Center. “Essas ações afetarão a gravidade da crise de incêndio quando as condições de seca permitirem que os incêndios se espalhem”.

(Reportagem de Jake Spring; edição de Brad Haynes e Aurora Ellis)

Continue Reading

Top News

Agricultores negros no Brasil estão mudando as percepções sobre a produção de café

Published

on

Agricultores negros no Brasil estão mudando as percepções sobre a produção de café

Este artigo foi revisado por pares pela Science X Processo editorial
E princípios.
Compiladores Os seguintes atributos são destacados garantindo a autenticidade do conteúdo:

Fato verificado

Agência de notícias famosa

Verificação

Muitos no Brasil ainda associam a produção de café à escravidão.

× mais perto

Muitos no Brasil ainda associam a produção de café à escravidão.

Quando Rafael Brandão descreve o café brasileiro de alta qualidade que ele faz com grãos provenientes exclusivamente de agricultores negros, muitos ainda associam o produto à escravidão.

O jovem de 31 anos compra seus grãos de café apenas em fazendas pertencentes a afrodescendentes e diz que seu objetivo é “inverter essa lógica” para negros como ele.

“A meu modo, estou tentando fazer reparações históricas”, disse Brandão à AFP em sua torrefação em Nova Iguaçu, um subúrbio pobre do Rio de Janeiro.

Há quatro anos lançou a sua marca, Café de Brito.

Em 2022 vendeu 800 quilos (cerca de 1.700 libras) e 1,4 toneladas no ano seguinte. Ele espera crescer para mais de duas toneladas após um aumento de 20% nas vendas apenas no primeiro trimestre deste ano.

O logotipo do Café de Brito é um punho negro levantado segurando um ramo de café, e as diferentes linhas de sabores recebem nomes de mulheres negras importantes da história brasileira.

O Brasil foi o último país das Américas a abolir a escravatura em 1888, e as disparidades raciais continuam elevadas num país onde mais de metade da população se identifica como “brito” (negro) ou mestiça.

'Mudando o mundo'

Com seus esforços, disse ele à AFP, ele quer lembrar ao mundo que o Brasil é um dos principais produtores de café nas regiões escravistas da África, onde o café se originou.

Rafael Brandão produz grãos provenientes exclusivamente de agricultores negros.

× mais perto

Rafael Brandão produz grãos provenientes exclusivamente de agricultores negros.

Ele busca “quebrar o estigma de que os negros não produzem qualidade”.

Portanto, meu trabalho também esclarece isso, disse ele. “Hoje tenho seis cafés feitos por negros e são todos… de qualidade.”

Muitos de seus clientes também buscam qualidade e um produto que “mude o mundo”.

Brandão está na vanguarda da chamada Onda Negra de Negócios no Brasil, que promove negócios entre pessoas de ascendência africana como uma ferramenta para o progresso social.

No início, ele teve dificuldade em encontrar fornecedores negros porque a maioria das plantações de café no Brasil ainda pertencia a famílias brancas.

“Os meus fornecedores negros são a primeira geração a produzir nas suas próprias terras, muitas vezes apenas em alguns hectares”, disse ele.

Brandão teve que defender a cruzada escolhida mais de uma vez.

“Às vezes me perguntam: 'E se torrefadores de propriedade de brancos comprarem café de agricultores brancos e vice-versa?' Mas isso já não aconteceu?”

O logotipo do Café de Brito é um punho preto levantado segurando um ramo de café.

× mais perto

O logotipo do Café de Brito é um punho preto levantado segurando um ramo de café.

Ao contrário dos pais, Neid Peixoto cultiva café nas terras de sua família, compradas pelo marido e ex-irmãos trabalhadores.

× mais perto

Ao contrário dos pais, Neid Peixoto cultiva café nas terras de sua família, compradas pelo marido e ex-irmãos trabalhadores.

Da fazenda para a xícara

A cerca de 500 quilômetros (311 milhas) de Nova Iguaçu fica a plantação de café de 19 hectares (47 acres) de um dos primeiros fornecedores da marca, Neid Peixoto.

“Tenho contato com o café desde criança. Meus pais trabalhavam na lavoura e muitas vezes eu os acompanhava”, disse Peixoto, 49 anos, à AFP em sua fazenda no sudeste de Minas Gerais, meca da produção de café.

Ao contrário dos pais, ela cultiva café nas terras de sua família, compradas pelo marido e ex-irmãos trabalhadores.

“Ser um produtor negro de cafés especiais significa muito para mim porque… nós, negros, temos uma história muito difícil e dolorosa”, disse Peixoto.

A maior parte da produção da fazenda é destinada à exportação, mas os grãos reservados ao Café de Brito têm especial importância para Peixoto.

“É emocionante saber que o café que faço, o café feito por negros, é torrado por negros”, disse ele.

“Estou muito animado em saber que estamos fazendo essa conexão do produto à xícara aqui mesmo na fazenda”.

READ  Investigação de Inteligência no Brasil | Noticias do mundo
Continue Reading

Trending

Copyright © 2023