Rede Elétrica de Seca – Pior Pressão Oficial no Brasil em 20 Anos

Em 29 de agosto de 2018, conexões elétricas conectando linhas de alta tensão foram encontradas próximo a Brasília, Brasília. Foto tirada em 29 de agosto de 2018. REUTERS / Ueslei Marcelino

A pior seca do Brasil em duas décadas afetará sua rede elétrica este ano, forçando o custo de produção e pressionando os consumidores, disse o diretor-geral do Operador Nacional da Rede Elétrica (ONS).

Segundo Louis Carlos Chiocchi, as caras termelétricas terão de gerar preços mais elevados para compensar o aumento, embora tenha destacado que não há risco de falta de energia ou racionamento.

“Se não tivéssemos epidemia e a economia estivesse crescendo, já poderíamos ter tido um problema (de abastecimento) no ano passado”, disse Chiocchi à Reuters na sexta-feira.

Períodos de seca podem causar estragos na rede elétrica do Brasil porque ela depende da geração hidrelétrica. Três quartos da eletricidade do Brasil são gerados dessa forma, que é uma das maiores proporções para qualquer país.

Na semana passada, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico – formado por organizações governamentais e de tecnologia, incluindo o ONS – aprovou medidas adicionais para atender aos requisitos, incluindo produção adicional de usinas termelétricas e importação de energia da Argentina e do Uruguai.

Durante a tradicional estação chuvosa de novembro ao final de março, Siochi disse que as chuvas registradas em 20 anos foram muito baixas, acrescentando que é improvável que o filme melhore muito até o final deste ano.

“O bom é que com temperaturas muito baixas, a carga é reduzida, mas conseguimos o máximo de produção de calor que podemos”, disse, acrescentando que a água é conservada o máximo possível nos reservatórios das hidrelétricas.

READ  Folha Internacional comemora 10 anos que Brasil tenta se explicar para estrangeiros - 24/07/2021 - Brasil

Nossos padrões: Princípios da Fundação Thomson Reuters.

Tadday Köhler

"O desconfortavelmente humilde fã de TV. Generalista de Twitter. Entusiasta de música extrema. Conhecedor de Internet. Amante de mídia social".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top