O teste de vacinação em massa de Serena dá à cidade um sabor natural do Brasil

“Agora está tudo praticamente aberto, o ambiente é muito diferente, muito mais leve e alegre. Nos sentimos seguros quando outras cidades ao nosso redor estão em situação muito difícil”, disse Ricardo Luis, dono de um popular restaurante em Serrana.

Quatro meses após o início do teste do chamado Projeto S, esta cidade tranquila cercada por plantações de açúcar recuperou sua atmosfera pré-epidêmica, disse Lewis.

Depois de um ano de dificuldades, seu negócio está de volta ao normal e agora traz 70% da receita que fazia antes da epidemia.

“As pessoas se sentem seguras ao sair de casa”, acrescenta, acrescentando que não tem mais medo da família ou de conhecidos que viajam pelas ruas quentes e secas da cidade. “Conhecemos todo mundo aqui e hoje em dia é raro ouvir falar de casos e mortes”, afirma.

Em todo o país, o Brasil tem o segundo maior número de mortes no mundo desde Covit-19, depois dos Estados Unidos, e isso leva a uma terceira onda de aumento diário de casos e mortes. Apenas 10% da população brasileira está totalmente vacinada.

Mas as pessoas que vivem em Serena dizem que vivenciam uma realidade muito diferente, o Projeto S.C.

Integrou o projeto Button Instituto de Medicina Biológica em associação com a Universidade de São Paulo Medical No Ribeirão Brito. Nesta primavera, os pesquisadores administraram as duas doses completas da vacina contra o coronavírus em 27.160 adultos – 95% dos adultos da cidade. Coronavac, desenhado pelo farmacêutico chinês Sinovak e feito no Brasil como parte de uma joint venture com a Putanton, mostra eficácia global 50,8% em estudos terciários.

As descobertas completas dos pesquisadores do Projeto S ainda não foram revisadas ou publicadas. No entanto, de acordo com resultados preliminares divulgados em 1º de junho, o estudo revelou uma redução de 80% no número de casos sintomáticos. As internações hospitalares pelo governo caíram 86% e as mortes 95% – saudadas pelo governador de São Paulo, João Toria, como um bom presságio para outras partes do país.

Viagem ao Brasil durante Covit-19: coisas que você precisa saber antes de viajar

Segundo o estudo, a imunização criou uma espécie de “cinturão imunológico” em Serena, o que reduz muito a disseminação do vírus corona no município, mesmo com a disseminação do vírus pelo país.

READ  Brasil registra 13.957 novos casos Covid-19 - últimas atualizações

“O resultado mais importante é entender que toda a população pode ser controlada sem vacinação. Quando a segurança chegou a 70%, 75% (da população de Serena), a queda de casos foi observada até no grupo inacabado, o esquema de vacinação”, afirmou. disse à CNN International um dia após a coletiva de imprensa, disse Ricardo Palacios, diretor médico do Instituto de Pesquisa Médica de Putin.

Mas nem todo mundo aprecia os resultados ou relaxa as medidas de precaução de saúde até que a Button Company divulgue seus dados de pesquisa completos e eles sejam revisados.

José Ângelo Marks é dono de um salão de beleza em Serana e foi vacinado novamente em abril. Marx diz que seu negócio opera com a ética instituída pelo governo do Estado de São Paulo, o que significa baixa capacidade de atendimento e distância entre os clientes, e não vai aumentá-los até que veja números abaixo dos percentuais.

“Gosto de olhar para os números, isso me deixa mais seguro”, diz ele.

Jose Angelo Marx e sua família em Serrana em 25 de fevereiro.

Ele, sua esposa e seus pais sofreram com o Govt-19 no ano passado. A maioria apresentou sintomas leves ou nenhum sintoma, mas o pai de Marx, de 81 anos, morreu de Covit-19 em um mês.

A vacinação ajudou a aliviar a dor da família, no entanto, Mark concorda. “Estamos um pouco relaxados agora. Estamos mais próximos um do outro agora, nos abraçando. Isso nos ajuda muito a lidar com a ausência do meu pai.”

Por que serana

A cerca de 330 quilômetros da capital paulista, Serena é considerada uma comunidade de um quarto, com a maioria de sua população viajando para trabalhar nas principais cidades vizinhas, como Ribeirão Brito. Marcos Borges, o pesquisador-chefe do projeto, diz que no início de 2021, as infecções do Govt-19 eram altas.

“Mais de 10.000 pessoas aqui vão trabalhar em outras cidades. Isso leva à disseminação dessas infecções e doenças infecciosas”, disse Borges. “Uma em cada 20 pessoas em Serena espalhou uma doença infecciosa que chamou nossa atenção.”

READ  Frete - Mulheres brasileiras carregam ouro 49er

“Tivemos dificuldades com o Covit-19 no início deste ano. Ele nos atingiu muito. Nosso pequeno sistema de saúde entrou em colapso. Era como se houvesse uma nuvem muito escura acima da cidade”, disse o prefeito de Serena, Leonardo Capitelli.

O Brasil se esforçou para obter vacinas suficientes para sua população de 211 milhões. Sabendo que a imunidade do rebanho pode levar muito tempo para chegar ao país, o diretor do Putton Institute, Dimas Kovas e Borges, tentou vacinar um grande número de pessoas em Serena em um curto período de tempo para ver se a imunidade do rebanho poderia ser alcançada localmente.

“Queríamos então testar se o vírus poderia ser evitado por vacinação, casos graves e internações hospitalares”, diz Borges. O então alto Govt-19 de Serena, a pequena população e a proximidade da Faculdade de Medicina e do Hospital do Governo em Ribeirão Brito tornaram-se excelentes candidatos.

O método usado no ensaio clínico é denominado step-wedge test, no qual a cidade é dividida em 25 subdivisões e quatro grandes grupos populacionais são vacinados nas semanas seguintes nos meses de fevereiro e abril.

Um esquema gráfico mostra o cronograma da vacina S.

Ricardo Palacios afirma que o planejamento da vacinação tem permitido que a equipe de pesquisa avalie e compare continuamente as áreas.

“No momento em que o terceiro grupo recebeu sua segunda dose, notamos que cerca de 75% da população elegível estava efetivamente controlando o surto em toda a cidade”, disse ele, indicando que a vacina generalizada pode proteger indiretamente até mesmo não residentes. População imunizada, como crianças e adolescentes.

“A baixa incidência de casos de indivíduos não vacinados indica uma queda na circulação do vírus. Isso fortalece a vacina como medida de saúde pública, não apenas para o indivíduo”, afirmou.

O prefeito Capitelli diz que há muito poucos hospitais de atenção primária em Serrana hoje.

“Quarenta ou cinquenta dias atrás, todos os dias cerca de 160 a 180 pessoas apresentavam sinais de doença respiratória em nossos hospitais e 69% testaram positivo para Govit-19. Agora, as visitas ao hospital caíram para 30, 35 por dia para Govt-19”, disse ele, apenas 20 a 25% do teste dá positivo ”, disse.

READ  A popularidade de Bolzano continua caindo antes da corrida de 2022 no Brasil, de acordo com pesquisas de opinião

“Antes do Projeto S tínhamos um Serana, outro. Nossa economia está crescendo, muitas empresas novas estão ansiosas para investir aqui, as pessoas estão voltando para suas vidas e nós estamos progredindo dia a dia”, acrescentou o prefeito.

Quarta-feira, 26 de maio de 2021 Pessoas se reúnem em um parque em Serena, Brasil.

Mas as máscaras vão continuar

No entanto, a vida não voltou completamente ao normal.

Devido à falta de controle do vírus na área, os moradores de Serana ainda precisam usar máscaras e distância da comunidade, que é uma medida básica de saúde aplicada em todo o estado.

Em contraste com os fechamentos totais impostos em algumas cidades próximas, as empresas em Serena também mantêm controles do governo estadual que limitam a capacidade.

“Como a área está turbulenta e as cidades e os sistemas de saúde entraram em colapso, isso ainda precisa ser seguido”, disse o prefeito Capitelli.

Copa América: Senador brasileiro Neymar & # 39;  Campeonato da Morte & # 39;

Os resultados completos do estudo devem ser divulgados no início de julho. Mas o plano s. Continuando até fevereiro do próximo ano, os pesquisadores continuarão monitorando os moradores da Cerrana. À medida que novas cepas de vírus continuam a surgir, os pesquisadores esperam que o Coronavac mantenha sua eficácia – e o Serena continue a desfrutar de seu aparente sucesso.

“Resultados importantes do estudo podem subsidiar estratégias de imunização no Brasil e no mundo, e podem dar esperança para o controle da doença por vacinas como o coronavac”, disse Timothy Kovas, presidente do Instituto Putton.

Por enquanto, o dono do restaurante Ricardo Lewis diz que já pode sentir os benefícios psicológicos de participar do Projeto S.

“Minha confiança foi restaurada. Minha auto-estima até voltou”, diz ele.

“Há quatro meses era difícil ver o fim disso. Somos uma cidade pequena, todos sabemos disso. Sentimos a dor dos outros como se fosse nossa. Foi difícil. Mas agora podemos ver a luz. final do túnel, podemos ver que é possível voltar ao normal e podemos nos sentir felizes novamente.

Tadday Köhler

"O desconfortavelmente humilde fã de TV. Generalista de Twitter. Entusiasta de música extrema. Conhecedor de Internet. Amante de mídia social".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top