Polícia norueguesa identifica o corpo de uma criança que morreu cruzando o Canal da Mancha

“Agora é certo que o menino que foi encontrado é Artin Irannejad. Ele é de origem iraniana e desapareceu durante o naufrágio de um navio no Canal da Mancha na costa da França em 27 de outubro do ano passado”, investigou a investigadora da polícia do sudoeste Camilla Tjell Wagad disse. Em comunicado na segunda-feira.

A polícia disse que Artin tinha 18 meses quando desapareceu. Seus pais morreram no naufrágio, junto com seus dois irmãos mais velhos. A família estava entre 19 migrantes no barco com destino ao Reino Unido, que virou nas águas francesas.

Quando o pequeno corpo apareceu na ilha norueguesa de Karmoy, não houve relatos de crianças desaparecidas na área e nenhuma família contatou a polícia local, disse um porta-voz da Polícia do Sudoeste à CNN na segunda-feira. A polícia disse que o terno azul que Arten estava usando não era uma marca norueguesa, indicando que ele não era cidadão norueguês.

A família de Artin era iraniano-curda de acordo com a HENGAW, uma organização de direitos humanos focada em Curdistão iraniano.

Na semana passada, cientistas forenses da Universidade de Oslo conseguiram comparar o DNA de Artin com o de um parente na Noruega, disse o investigador principal em um comunicado.

“É um processo árduo, mas estamos felizes por agora termos recebido a confirmação de que foi o menino desaparecido que foi encontrado em Karmøy. Essa história é trágica, mas pelo menos é bom poder dar uma resposta aos parentes ”, Disse Tjele Wag.

“A polícia tem mantido um diálogo permanente com as autoridades francesas. Sempre respeitamos as operações transnacionais, mas quando ficou claro que o parente do menino na Noruega tinha um parentesco próximo o suficiente, optamos por tentar comparar o DNA dessa pessoa com aquele menino “, Acrescentou Tjell Wajeg.

READ  O primeiro-ministro da Malásia, Muhyiddin, permitirá um voto de confiança no Parlamento

O presidente francês Emmanuel Macron e o primeiro-ministro britânico discutiram a questão da travessia do Canal na segunda-feira, antes da próxima cúpula do G7, de acordo com Downing Street.

“O primeiro-ministro e o presidente falaram sobre a questão da imigração ilegal no Canal da Mancha”, disse um porta-voz do Downing em um comunicado.

“O primeiro-ministro observou a cooperação em curso para lidar com travessias de pequenos barcos no canal e levantou a necessidade de redobrar os esforços para dissuadir os migrantes de tentarem esta viagem perigosa após um aumento alarmante de acidentes nas últimas semanas”, acrescentaram.

Menno Lange

"Geek da Internet. Entusiasta da comida. Pensador. Praticante de cerveja. Especialista em bacon. Viciado em música. Viajante."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top