Brazil Lawyers Price, Bharat Intermediary Agreement

Durante a campanha de vacinação contra a doença do vírus Corona (COVID-19) no Hospital do Instituto de Ciências Médicas da Índia (AIIMS) em Nova Delhi, Índia, um profissional de saúde preenche a vacina COVID-19 da Bharat Biotech com COVAXIN. 2021. REUTERS / Adnan Abidi

BRASÍLIA, 22 de junho (Reuters) – Os promotores federais no Brasil abriram uma investigação sobre um negócio no valor de US $ 1,6 bilhão (US $ 320 milhões) para 20 milhões de doses da vacina Kovit-19 fabricada pela indiana Bharat Biotech, informou a Reuters na terça-feira.

Os preços relativamente altos, negociações imediatas e aprovações regulatórias pendentes para o acordo Bharat, que foi assinado em fevereiro antes de acordos semelhantes com a Pfizer Inc. (PFEN) e a Johnson & Johnson (JNJN), foram as bandeiras vermelhas para o Procurador-Geral Citado por Office (PGR). .

Bharat não respondeu imediatamente a um pedido de comentário fora do horário comercial na Índia.

O acordo com a Índia também está sob análise do Senado brasileiro, que pediu na quarta-feira o depoimento da chefe da mediadora indiana, Priscilla Medicamendos, em Brasília.

Para justificar a investigação preliminar, os promotores sinalizaram um documento datado de 16 de junho que incluía associados da Pride, a Global Suite, uma empresa acusada de vender ou distribuir drogas para o Ministério da Saúde em um caso sob investigação policial.

Priscilla e Global não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

Os promotores questionaram por que o ministério da saúde concordou em comprar a vacina Bharat, que não aborda as barreiras regulatórias, por cerca de US $ 15 a dose: significativamente mais do que pagou pela vacina aprovada regulamentada da Pfizer.

“O histórico de práticas ilícitas envolvendo sócios em Priscilla e os altos preços pagos no contrato … exigem uma investigação aprofundada dos aspectos civis e criminais”, escreveram os advogados.

READ  Justiça Eleitoral do Brasil elege novo presidente

Em um documento separado visto pela Reuters, os investigadores do Senado citaram o depoimento de um funcionário público não identificado e descreveram “pressão extraordinária” de altos funcionários do Ministério da Saúde.

Em março, a agência reguladora de saúde brasileira Anvisa rejeitou o pedido do governo para importar os níveis de cocaína, citando preocupações com os padrões de produção da Índia e a falta de dados de segurança e outros documentos.

($ 1 = 5.0043 arroz)

Ricardo Britto Relatório de Brad Haynes e Jonathan Odysseus Anthony Bodil Edição do relatório adicional

Nossos padrões: Princípios da Fundação Thomson Reuters.

Tadday Köhler

"O desconfortavelmente humilde fã de TV. Generalista de Twitter. Entusiasta de música extrema. Conhecedor de Internet. Amante de mídia social".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back to top