Dados do terceiro ano, sinais de desmatamento na Amazônia no Grande Brasil :: WRAL.com

Dados preliminares do governo divulgados na sexta-feira sugerem que o desmatamento anual na Amazônia brasileira pode ter ultrapassado 10.000 quilômetros quadrados (3.861 milhas quadradas) pelo terceiro ano consecutivo, uma melhoria preocupante após a posse do presidente Jair Bolzano.

A área desmatada do Brasil de agosto a julho – um período de 12 meses de -8.793 quilômetros quadrados, abaixo do recorde do ano passado, de acordo com alertas diários compilados pelo sistema de monitoramento Dider da Organização Nacional de Pesquisas Espaciais.

Esses dados são considerados o principal indicador para cálculos completos divulgados até o final do ano pela organização mais precisa, a Brods. Utiliza pelo menos quatro satélites diferentes para capturar imagens, superando observações em dados preliminares causados ​​por baixa resolução e cobertura de nuvens.

Marcio Astrini, secretário executivo do Observatório do Clima, uma rede de organizações ambientais sem fins lucrativos, disse à Associated Press que espera que o número final chegue a 10 mil quilômetros quadrados.

Antes do início do mandato de Bolsanaro, em 2019, a Amazônia brasileira nem registrava um ano de desmatamento há mais de uma década, com uma média de 6.500 quilômetros quadrados entre 2009 e 2018. O presidente de extrema direita promoveu o desenvolvimento biológico e rejeitou as assinaturas globais sobre sua destruição como uma conspiração para obstruir o comércio agrícola do país. Ao mesmo tempo, seu governo insultou as autoridades ambientais e encorajou os grileiros a tomarem medidas legais para facilitar a segurança da terra.

“Em dois anos e meio, o governo Bolsanaro provocou um estado de destruição ambiental e caos”, disse Suli Arozo, ex-chefe do órgão regulador ambiental Ibama, à Associated Press. “O grupo de fatores representa a fiscalização. Há uma oposição política que não vai no caminho certo.”

READ  Como o eucalipto reduz as emissões da carne bovina brasileira

Recentemente, o governo brasileiro buscou melhorar sua credibilidade ambiental com os Estados Unidos, com o candidato presidencial do ano passado, Joe Biden, propondo aos países que fornecessem US $ 20 bilhões contra o desmatamento ao Brasil. Seu governo presidencial deixou claro que estará pronto para contribuir apenas se o Brasil mostrar avanços positivos e as negociações pararem.

Durante a cúpula do clima liderada pelos Estados Unidos em abril, Bolzano mudou seu tom sobre a segurança da Amazônia e expressou o desejo de aumentar a estabilidade. Além disso, no final de junho, ele emitiu uma ordem para enviar tropas de volta à Amazônia, apesar de grupos ambientalistas o acusarem de fortalecer-mobilizar a polícia contra a exploração madeireira e outras grilagens de terras, e disse que as tropas não estavam prontas para fiscalizar.

Hamilton Mario, vice-presidente do Conselho Amazônico do país, disse que quer reduzir o desmatamento em 10% este ano. Ele admitiu em 2 de agosto que provavelmente apenas metade dessa meta seria alcançada, a quantia que ele disse aos repórteres era “muito pequena, muito pobre, mas alguma melhora”.

Os dados do Tidar mostram que é 5% menor que no ano anterior. Christian Massetti, um ativista florestal sênior do Greenpeace, disse à Associated Press que os dados completos de reprodução mostrando o desmatamento em 2020-2021 devem exceder 10.000 quilômetros quadrados.

Massett destacou o avanço de projetos de lei apresentados no ano passado, que aumentariam a quantidade de terras públicas que poderiam ser legalizadas para propriedade privada sem levantamentos pessoais por parte das autoridades. Desprezado pelos ativistas ambientais como o “Projeto de Lei da Grabação de Terras”, ele tem amplo apoio de legisladores e empresas do agronegócio favoráveis ​​ao Bolsanaro, e foi aprovado pela Câmara na semana passada.

READ  Atualização 2 - Revisão das Diretrizes de Cobre e Níquel para Trabalhadores Vale no Brasil, Questões Climáticas

Este é mais um sinal para aqueles que ocupam terras públicas e destroem pastagens de que não apenas serão perdoados, mas também serão indenizados por seus crimes, disse Massetti.

“Quando o desmatamento foi reduzido há muitos anos, o desmatamento de pequenas áreas tornou-se comum porque os desmatadores tentavam evitar os satélites. Hoje, isso não acontece mais”, disse. “Temos grandes reclamações florestais cobrindo mais de 1.000 hectares (2.471 acres). Isso mostra que não há mais nenhuma ameaça”.

O conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, visitou o Brasil na semana passada para se reunir com três governadores dos nove estados brasileiros da Amazônia. Um deles, Holder Barbalo, governador de Bara, disse à AP que Sullivan falou sobre a intenção dos EUA de ajudar o Brasil a investir em um novo tipo de desenvolvimento sustentável, mas não mencionou as somas do embaixador norte-americano.

“Ressaltamos a necessidade de avaliar a floresta em pé implantando um agronegócio sustentável para que (a floresta) se transforme em um ativo econômico”, disse Barbalho. “Para isso, precisamos de uma parceria forte para custear investimentos e subsídios em tecnologia de ponta.”

De 2020 a 2021, o Pará foi responsável por 39% do desmatamento, o maior em qualquer estado da Amazônia, de acordo com dados de Ditter.

Enquanto esteve na capital, Brasília, Sullivan não se encontrou com o ministro do Meio Ambiente do Brasil, seu antecessor Ricardo Salles, que criticou duramente seu cargo em junho, e suas duas investigações sobre seu suposto envolvimento em atividades madeireiras ilegais. Salles negou todas as irregularidades.

Tadday Köhler

"O desconfortavelmente humilde fã de TV. Generalista de Twitter. Entusiasta de música extrema. Conhecedor de Internet. Amante de mídia social".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top