Farol da Esperança: Ucrânia e Rússia assinam acordo de exportação de grãos

A Rússia e a Ucrânia assinaram acordos separados na sexta-feira com a Turquia e as Nações Unidas, abrindo caminho para que milhões de toneladas de grãos ucranianos muito necessários – assim como alguns grãos e fertilizantes russos – sejam exportados através do Mar Negro. Acordo há muito aguardado encerra impasse de guerra que ameaçavam a segurança alimentar em todo o mundo.

O plano da ONU permitiria à Ucrânia – um dos celeiros mais importantes do mundo – exportar 22 milhões de toneladas de grãos e outras commodities agrícolas que ficaram presas nos portos do Mar Negro devido à invasão russa.. O secretário-geral da ONU, António Guterres, descreveu-o como um “farol de esperança” para os milhões de pessoas famintas que enfrentaram aumentos maciços nos preços dos alimentos.

“O acordo que permite que os grãos deixem os portos do Mar Negro é nada menos do que salvar a vida de pessoas em todo o mundo que lutam para alimentar suas famílias”, disse Robert Mardini, diretor-geral da Cruz Vermelha. Ele destacou que durante os últimos seis meses, os preços dos alimentos aumentaram 187% no Sudão, 86% na Síria e 60% no Iêmen, para citar alguns.

O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, e o ministro da Infraestrutura ucraniano, Oleksandr Kobrakov, assinaram acordos idênticos separados na sexta-feira com o ministro da Defesa turco Hulusi Akar em Istambul testemunhado pelo presidente turco Recep Tayyip Erdogan. A Rússia e a Ucrânia não assinarão nenhum acordo direto entre si.

“Hoje há um farol no Mar Negro”, disse Guterres. “Um farol de esperança, um farol de possibilidade, um farol de alívio em um mundo que precisa mais do que nunca.”

“Vocês superaram obstáculos e deixaram de lado as diferenças para abrir caminho para uma iniciativa que atende aos interesses comuns de todos”, disse ele aos enviados.

Guterres descreveu o acordo como um acordo sem precedentes entre duas partes envolvidas em um conflito sangrento. Erdogan disse esperar que este seja “um novo ponto de virada que reavive as esperanças de paz”.

Mas em Kyiv, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, parecia ainda mais sombrio.

READ  Locais de protesto se acalmam no Sri Lanka após renúncia do presidente

“Não vou abrir uma garrafa de champanhe por causa deste acordo”, disse Kuleba à Associated Press. “Vou manter meus dedos cruzados para que isso funcione, que os navios levem os grãos para os mercados mundiais e os preços caiam e as pessoas tenham comida para comer. Mas sou muito cuidadoso porque não confio na Rússia.”

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky ecoou as preocupações de Kuleba em seu discurso noturno em vídeo, dizendo: “Está claro para todos que pode haver algumas provocações da Rússia, algumas tentativas de desacreditar os esforços ucranianos e internacionais. Mas confiamos nas Nações Unidas”.

A União Europeia e o Reino Unido saudaram imediatamente a notícia.

“Este é um passo importante nos esforços para superar a insegurança alimentar global causada pela agressão da Rússia contra a Ucrânia”, disse Josep Borrell, coordenador de política externa da UE.

A secretária de Relações Exteriores britânica, Liz Truss, elogiou a Turquia e as Nações Unidas por mediarem o acordo.

“Estaremos observando para garantir que as ações da Rússia sejam consistentes com o que dizem”, disse Truss. “Para permitir um retorno duradouro à segurança e estabilidade econômica global, (o presidente russo Vladimir) Putin deve acabar com a guerra e se retirar da Ucrânia.”

Os líderes africanos, cujos países importam alimentos e fertilizantes da Ucrânia e da Rússia, saudaram o acordo, com o presidente sul-africano Cyril Ramaphosa dizendo que “demorou demais”.

A Ucrânia é um dos maiores exportadores mundiais de trigo, milho e óleo de girassol, mas a invasão russa do país e o bloqueio naval de seus portos interromperam os embarques. Alguns grãos ucranianos são transportados pela Europa por via férrea, rodoviária e fluvial, mas os preços de commodities básicas, como trigo e cevada, dispararam durante a guerra.

Apesar das sanções internacionais contra a Rússia Não tendo como alvo as exportações de alimentos, a guerra interrompeu os embarques de produtos russos porque as companhias de transporte e seguros não queriam fazer negócios com a Rússia.

Guterres disse que o plano, conhecido como Iniciativa do Mar Negro, abre caminho para grandes exportações comerciais de alimentos de três grandes portos ucranianos: Odessa, Chernomorsk e Yuzhnyi.

READ  Jato particular ligado à Rússia é reservado enquanto sanções de voo do Reino Unido aumentam

O acordo, obtido pela AP, afirma que um centro de coordenação conjunto liderado pela ONU será estabelecido em Istambul, com funcionários da Ucrânia, Rússia e Turquia para implementar o plano, incluindo o agendamento da chegada e partida de navios de carga.

Inspetores que representam todos os lados do Bósforo na Turquia inspecionarão os navios que entram e saem dos portos ucranianos para garantir que não haja armas ou soldados a bordo.

Sob o acordo, “todas as atividades nas águas territoriais ucranianas estarão sob a autoridade e responsabilidade da Ucrânia”, e as partes concordam em não atacar navios e instalações portuárias participantes da iniciativa. Se a desminagem for necessária para tornar as rotas de navegação seguras, um caça-minas de outro país pode limpar as minas das estradas para os portos ucranianos.

Ambos os lados monitorarão o movimento dos navios remotamente e não há navios militares. Aeronaves ou drones poderão se aproximar do “Corredor Humanitário Marítimo” mais perto do que uma distância determinada pelo centro. O contrato permanecerá em vigor por 120 dias e poderá ser prorrogado automaticamente.

Guterres acredita que os embarques de grãos podem começar “nas próximas duas semanas”, segundo o porta-voz adjunto da ONU, Farhan Haq. Um alto funcionário da ONU disse que a Ucrânia precisava de cerca de 10 dias para preparar os portos e precisava de tempo “para identificar e esclarecer essas passagens seguras”. A meta é exportar 5 milhões de toneladas de grãos por mês para descarregar os silos ucranianos a tempo da safra deste ano.

Cerca de 20 milhões de toneladas de grãos serão inicialmente exportados e, em seguida, parte da safra atual será exportada, disse Zelensky.

Guterres inicialmente levantou a necessidade urgente de retomar o fornecimento de produção agrícola ucraniana, grãos e fertilizantes russos para os mercados mundiais no final de abril durante reuniões com Putin em Moscou e Zelensky em Kyiv, depois propôs um acordo por temores de uma guerra pior. Fome para até 181 milhões de pessoas.

O acordo “não significa que a crise de abastecimento global acabou”, disse Peter Meyer, chefe de análise de grãos e oleaginosas da S&P Global Platts.

READ  Corpos se amontoam do lado de fora do necrotério do hospital enquanto a Romênia luta com a quarta onda de COVID-19

Ele disse que os traders esperavam um acordo nas últimas semanas, então seu impacto já pode ser visto nos preços dos grãos. O acordo abrange apenas a safra de 2021. Meyer disse que ainda há muita incerteza sobre a produção ucraniana neste ano e no próximo.

Antes dos acordos, autoridades russas e ucranianas culpavam-se mutuamente pelo bloqueio dos embarques de grãos. Moscou acusou a Ucrânia de não limpar as minas navais nos portos, insistindo que os navios que chegam sejam verificados em busca de armas e suspendendo as restrições às exportações russas de grãos e fertilizantes.

A Ucrânia argumentou que o bloqueio da Rússia ao porto e os lançamentos de mísseis do Mar Negro impossibilitaram qualquer embarque marítimo seguro. Ele buscou garantias internacionais de que o Kremlin não usaria passagens seguras para atacar Odessa e acusou a Rússia de roubar grãos do leste da Ucrânia e incendiar deliberadamente os campos ucranianos.

Volodymyr Sedenko, especialista do Razumkov Center Research Center, com sede em Kyiv, disse que a Ucrânia aparentemente não levantou a questão dos grãos roubados nas negociações.

Era parte de um acordo: Kyiv não levanta a questão dos grãos roubados e Moscou não insiste em examinar os navios ucranianos. Kyiv e Moscou foram forçados a concluir um acordo e um compromisso”, disse ele.

O analista observou que o acordo também foi importante para as relações geopolíticas da Rússia.

“A Rússia decidiu não alimentar uma nova crise na África, provocar fome e fazer mudanças governamentais lá”, disse Sedenko. A União Africana pediu a Putin que alivie rapidamente a crise com o fornecimento de grãos.

__

Fraser relatou de Ancara, Turquia. Edith Lederer das Nações Unidas, Erica Kentz em Kyiv, Ucrânia, Raf Kassert em Bruxelas, Jill Lawless em Londres e Jer Molson em Berlim contribuíram.

___

Acompanhe a cobertura da Associated Press sobre a guerra russo-ucraniana em https://apnews.com/hub/russia-ukraine

Menno Lange

"Geek da Internet. Entusiasta da comida. Pensador. Praticante de cerveja. Especialista em bacon. Viciado em música. Viajante."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back to top