Europa intensifica apoio à Ucrânia enquanto Rússia pressiona ofensiva

  • Zelensky agradece aos líderes da UE por visita de solidariedade
  • Comandantes percorrem a cidade devastada de Irbin
  • Combates se intensificam em Severodonetsk e no sul da Ucrânia

Kyiv/IRBIN, Ucrânia, 17 Jun (Reuters) – O Reino Unido sediará nesta sexta-feira conversas sobre a reconstrução de infraestruturas-chave em Kyiv, um dia depois que os líderes da Alemanha, França e Itália visitaram a Ucrânia e ofereceram esperança para a adesão à União Europeia enquanto luta contra um ataque russo feroz no Oriente.

As sirenes soaram quando o presidente francês Emmanuel Macron, o alemão Olaf Schulz e o italiano Mario Draghi visitaram a capital ucraniana e uma cidade próxima foi devastada no início da guerra. Consulte Mais informação

Depois de conversar com o presidente Volodymyr Zelensky, os líderes indicaram que a Ucrânia deveria receber o status de candidata à UE, um gesto simbólico que aproximaria Kyiv do bloco econômico.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Schulz disse que a Alemanha acolheu 800.000 refugiados ucranianos e continuará apoiando a Ucrânia enquanto for necessário.

“A Ucrânia pertence à família europeia”, disse.

A Grã-Bretanha receberá representantes da Ucrânia e líderes empresariais na sexta-feira para discutir como as empresas britânicas podem ajudar a reconstruir as principais infraestruturas em Kyiv. Consulte Mais informação

A Grã-Bretanha fortalecerá a cooperação entre suas empresas de infraestrutura, energia e transporte e organizações públicas e privadas ucranianas para ajudar a reparar a infraestrutura danificada e destruída.

No campo de batalha, autoridades ucranianas disseram que suas forças estavam realizando um maciço bombardeio russo na cidade oriental de Severodonetsk e descreveram novos progressos em uma contra-ofensiva no sul.

Mas eles disseram que as batalhas nas duas frentes principais dependiam de receber mais ajuda do Ocidente, especialmente artilharia, para combater a grande vantagem da Rússia em poder de fogo.

READ  Príncipe Charles faz o discurso da rainha pela primeira vez

“Agradecemos o apoio já fornecido pelos parceiros e esperamos a entrega de novos carregamentos, principalmente armas pesadas, artilharia moderna e sistemas de defesa antimísseis”, disse Zelensky na quinta-feira após conversas com seus colegas europeus.

Macron disse que a França intensificará os envios de armas para Kyiv, enquanto os ministros da Defesa da Otan em Bruxelas prometeram mais armas para a Ucrânia, enquanto planejam reforçar o flanco leste da aliança militar liderada pelos EUA.

“Faça a Europa não guerra”

A visita dos três líderes mais poderosos da União Européia à Ucrânia levou semanas para ser organizada, pois eles se defenderam de críticas por atitudes descritas como muito condescendentes com o presidente russo, Vladimir Putin.

Os líderes, acompanhados pelo presidente romeno Klaus Iohannis, visitaram Irbin, logo após o início da invasão em 24 de fevereiro.

Referindo-se ao grafite na parede onde se lê “Faça a Europa, não a guerra”, Macron disse: “É muito emocionante ver isso. Esta é a mensagem certa”.

Putin disse repetidamente que a principal razão direta para o que chamou de “operação militar especial” era proteger os falantes de russo no leste da Ucrânia de perseguição e ataque.

Schulz, Macron e Draghi dizem que são defensores ferrenhos da Ucrânia que tomaram medidas práticas para reduzir a dependência da Europa da energia russa e encontrar armas para ajudar Kyiv.

Mas a Ucrânia há muito critica Schulze pelo que vê como a lenta entrega de armas da Alemanha e sua relutância em cortar os laços econômicos com Moscou, e este mês provocou a ira de Macron por dizer em uma entrevista que a Rússia não deveria ser “humilhada”.

A Itália também propôs um plano de paz que os ucranianos temem que os pressione a desistir de suas terras. Após as negociações em Kyiv, Macron disse que ainda era necessário algum tipo de canal de comunicação com Putin.

READ  Egito restaura antiga estrada que liga os templos de Luxor e Karnak | Egito

aldeias fantasmas

No sul, a Ucrânia diz que suas forças estão entrando na região de Kherson, que a Rússia ocupou no início de sua invasão. Houve poucos relatórios independentes para confirmar os locais de batalha na área.

O chefe de gabinete de Zelensky, Andrei Yermak, escreveu no Twitter que visitou uma área a cerca de 3 a 4 quilômetros das posições russas, onde dezenas de “aldeias fantasmas” foram evacuadas devido aos combates.

“Nossos homens estão no terreno – o clima é de luta. Mesmo com recursos limitados, estamos repelindo o inimigo. Uma coisa está faltando – armas de longo alcance. De qualquer forma, vamos expulsá-los do sul”, escreveu ele. . .

A principal batalha nas últimas semanas foi em torno da cidade oriental de Severodonetsk, onde as forças ucranianas estão escondidas em uma fábrica de produtos químicos com centenas de civis.

“A cada dia fica mais difícil porque os russos estão puxando mais e mais armas para a cidade”, disse Oleksandr Stryuk, prefeito de Severodonetsk.

Na quinta-feira, um ataque aéreo atingiu um prédio que abriga civis em Yesichansk, do outro lado do rio, matando pelo menos quatro e ferindo sete, disse o governador distrital Serhiy Gaidai.

Enquanto isso, o serviço de inteligência holandês disse ter descoberto um complexo complô russo para colocar um agente militar usando uma falsa identidade brasileira no Tribunal Penal Internacional, que está investigando supostos crimes de guerra.

“Esta foi uma operação de vários anos e de longa duração e custou muito tempo, esforço e dinheiro”, disse o chefe da agência de inteligência holandesa, Eric Ackerbom, usando a sigla para GRU. Não houve comentários sobre o caso do governo russo ou do Tribunal Penal Internacional. Consulte Mais informação

Relatórios adicionais dos escritórios da Reuters; Escrito por Ramy Ayoub e Stephen Coates. Edição por Angus McSwan, Alex Richardson e Rosalba O’Brien

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Menno Lange

"Geek da Internet. Entusiasta da comida. Pensador. Praticante de cerveja. Especialista em bacon. Viciado em música. Viajante."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back to top